Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Caminhões e Ônibus | 09/04/2012 | 19h55

Caminhões: retomada nas vendas ocorrerá no 2º semestre

Estoque de unidades Euro 3 tira o sono dos fabricantes instalados no Brasil

Jairo Morelli, AB

Da esq. para a dir.: Reinaldo Serafim (Volvo), Tânia Silvestri (Mercedes), Alcides Cavalcanti (Iveco) e Ricardo Alouche (MAN). Foto: Ruy Hizatugu

Jairo Morelli, AB

O III Fórum da Indústria Automobilística, realizado nesta segunda-feira, 9, no Golden Hall do WTC, em São Paulo (SP), teve grande espaço dedicado aos veículos comerciais. O segmento de pesados passa por momento complicado no mercado nacional. A falta de políticas e ações de incentivo por parte do governo para a compra de caminhões menos poluentes e o grande volume produzido de modelos Euro 3 no fim do ano passado, hoje encalhados nas concessionárias por conta da pequena antecipação de compras, já começam a tirar o sono dos fabricantes instalados por aqui.

Durante o painel Cenários para Veículos Comerciais, executivos do setor até tentaram minimizar as dificuldades, atribuindo a retração do primeiro trimestre à desinformação por parte dos frotistas quanto aos benefícios da motorização Euro 5, ao fraco desempenho econômico do País e ao achatamento dos fretes. “A partir de junho, com a efetivação da redução da taxa do Finame, deveremos ter uma retomada e o mercado deverá fechar com baixa de apenas 12% ante o excelente 2011”, projeta o diretor de vendas e marketing da Iveco, Alcides Cavalcanti.

Na visão do diretor de vendas, marketing e pós-vendas da Man Latin America, Ricardo Alouche, o momento não é de crise, mas de transição. “Nosso programa de produção está normal e será mantido. Os cortes que deveriam ser feitos foram realizados no ano passado e não temos planos de parar a produção”, afirma. O executivo acredita que com o fim dos estoques, hoje beirando 30 dias de venda, o consumidor voltará a comprar. Em alguns fabricantes, vale ressaltar, os estoques chegam aos 60 dias.

Para o assistente técnico da NTC, Antônio Lauro Valdivia Neto, a elevação do custo operacional em torno de 6% com modelos Euro 5, as variações de preços do Arla 32 e a desinformação dos médios e pequenos frotistas são os principais motivos da baixa. “O alto preço cobrado pelo Arla 32 em alguns locais assusta os transportadores”, afirma. Por outro lado, o diesel S50 vem sendo vendido dentro dos padrões, apenas R$ 0,05 mais caro do que o diesel tradicional. De acordo com o Valdivia Neto, incentivos fiscais para a aquisição do combustível deverão aumentar a distribuição do S50, já que os donos de postos se sentirão mais confiantes para a compra do produto que, até então, tem baixíssima saída pelo baixo volume de modelos Euro 5 na praça.

Enquanto a situação para os pesados se mantém complicada, para os leves o panorama é mais tranquilo. “O mercado de caminhões leves cresce de forma sustentável por conta das restrições de circulação impostas para os modelos pesados. Acredito que neste segmento a transição será suave e não deverá ser percebida”, aposta Cavalcanti, uma vez que os modelos da marca para tal segmento são dotados da tecnologia EGR.

VOTAÇÃO

Durante o painel, os participantes da plateia apresentaram suas opiniões por votação eletrônica. Na visão de 41,1% deles, o mercado de caminhões em 2012 deverá recuar entre 10% e 15% em comparação ao ano anterior. Sobre a evolução nas vendas de modelos P7, 40,2% acreditam que ela será fraca até o meio do ano. Entre estes, 39,8% apostam que a retomada virá com o fim dos estoques de modelos Euro 3. A votação foi concluída com pergunta sobre a falta de planejamento na transição para a fase P7, em que 62,5% dos presentes atribuíram as dificuldades atuais à falta de uma política de incentivo, uma espécie de Finame Verde, para a aquisição dos modelos Euro 5.

Assista à entrevista exclusiva da diretora de vendas e marketing caminhões da Mercedes-Benz, Tânia Silvestri, na Automotive Business WebTV.



Tags: Fórum da Indústria Automobilística, Euro 3, veículos comerciais, Alcides Cavalcanti, NTC, Ricardo Alouche, Antônio Lauro Valdivia Neto.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência