Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Política e Legislação | 09/04/2012 | 20h31

Desafio da indústria vai além de questão cambial

Governo e montadoras discutem rumos da competitividade no setor

Natalia Goméz, Automotive Business

Letícia Costa, sócia-diretora da Prada Consultoria (foto: Ruy Hizatugu)

Natalia Gómez

O baixo nível de competitividade da indústria brasileira tem sido tratado de forma equivocada pelo governo e pelos empresários brasileiros: a questão vai muito além da valorização do real e tem origens mais profundas. O alerta foi feito por Letícia Costa (foto), sócia-diretora da Prada Consultoria, durante o III Fórum da Indústria Automobilística, realizado nesta segunda-feira, 9, por Automotive Business no Golden Hall do WTC, em São Paulo.

“A discussão tem sido centrada em fatores exógenos como a taxa de câmbio, mas isto não é suficiente para explicar 30 anos de queda de produtividade”, disse. Com custo relativo de produção 60% superior ao chinês e também maior que o de outros países emergentes, o País padece com a baixa produtividade do trabalhador brasileiro. Em 1980, o PIB por trabalhador era de US$ 21 mil por ano, mas caiu para US$ 17,8 mil por ano em 2008.

As verdadeiras causas dessa baixa competitividade são a questão tributária, a infraestrutura e o baixo nível de educação no País. De acordo com Letícia, o governo tem tratado a questão com paliativos e não com estratégias de competitividade. Os gastos excessivos do governo e a dificuldade de executar investimentos são outros pontos críticos. “O custeio do governo não para de crescer.”

O Diretor da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Clayton Campanhola, afirmou durante o fórum que o governo quer fazer mudanças estruturais que deem “rumo estratégico” para a indústria brasileira. “Isso não se faz por meio de medidas emergenciais, temos consciência disso, embora seja importante para ajudar a indústria a enfrentar os desafios de curto prazo”, afirmou.

Ele destacou que o novo regime automotivo dará redução adicional de até 2 pontos porcentuais no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para empresas que cumprirem metas de investimento em pesquisa e desenvolvimento e engenharia, o que deve fortalecer a competitividade da indústria nacional.

De acordo com Campanhola, o governo tem diretrizes estratégicas para o setor automotivo, como o fortalecimento da cadeia de autopeças, o aumento das exportações de veículos e componentes, além do aumento da inovação, do conteúdo local tecnológico, da segurança e da eficiência energética dos veículos produzidos no Brasil. Outras prioridades são o aumento da capacidade produtiva e a formação e qualificação de mão de obra.

O vice-presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan Yabiku, concordou com a crítica de Letícia Costa sobre a falta de competitividade, mas disse que não se deve subestimar a relevância da questão cambial. Ele destacou ainda que muitas empresas brasileiras têm o DNA da inovação e deu como exemplo o desenvolvimento do sistema flex, que é único no mundo.

Em sua visão, o novo regime automotivo ajudará o setor na busca pela competitividade, o que será especialmente benéfico para o segmento de autopeças. “Não existe montadora forte se não houver uma indústria de autopeças forte”, declarou Yabiku.



Tags: Fórum da Indústria Automobilística, competitividade, indústria brasileira, câmbio, valorização, produtividade.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência