Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Política e Legislação | 17/04/2012 | 20h05

Exigência de airbag e ABS estimula renovação

AEA aponta que produção de modelos antigos será inviável

Giovanna Riato, AB

Giovanna Riato, AB

A partir de 2014, todos os automóveis, utilitários e picapes vendidos no Brasil precisarão ter airbag duplo frontal e freios ABS. Além de ampliar a segurança e o nível tecnológico dos carros nacionais, a determinação do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) terá como efeito colateral a renovação dos modelos vendidos no Brasil. A opinião é de Marcus Vinicius Aguiar, diretor técnico da AEA, associação de engenharia automotiva.

“Se o veículo não foi desenvolvido para ter airbag ele terá de sair de linha”, acredita. Com isso, clássicos das ruas brasileiras podem começar a sumir das concessionárias, como o Uno Mille, da Fiat, e a Kombi, da Volkswagen. A legislação tem implementação gradual desde 2010 para dar tempo de adaptação às montadoras e fornecedores.

Este ano 30% dos carros de cada marca precisam chegar ao consumidor com airbags. No ano que vem o índice passa a ser de 100% para os lançamentos e de 60% para os carros que já estão no mercado. A partir de 2014 a legislação exige que todos os veículos novos tenham o dispositivo.

No caso do ABS, não há diferenciação entre os modelos completamente novos e os que estão à venda, já que o sistema pode ser instalado sem a necessidade de grande adaptação do veículo. A exigência é que 30% dos automóveis e comerciais leves com peso bruto total de até 3,5 toneladas contem com o dispositivo este ano, 60% a partir de 2013 e 100% em 2014.

Para Aguiar, o principal desafio da introdução de novas tecnologias no portfólio é agregar valor aos carros sem grande repasse nos preços para o consumidor. “Precisamos negociar com os nossos fornecedores e buscar soluções para garantir que o produto permaneça competitivo”, explica.

A nova legislação não deve ser a única responsável pela evolução dos carros nacionais. Aguiar avalia que os clientes brasileiros passaram a valorizar mais os itens de segurança. Normas anteriores, como a que determina o uso de cadeirinha para transportar crianças, impulsionaram o movimento. O outro estímulo vem de fora, dos carros importados, que chegam com preços competitivos e recheados de equipamentos.

O diretor da AEA observa que, à medida que avançam nos carros, os dispositivos de segurança ficam mais acessíveis. “O preço já caiu muito. Há cerca de cinco anos o cliente pagava até R$ 6 mil para ter os dois sistemas. Hoje não passa muito de R$ 2,5 mil”, destaca.

Cumprida essa etapa, a entidade pretende incentivar o avanço de outros dispositivos. O primeiro passo, segundo Aguiar, será defender a obrigatoriedade de cinto de segurança de três pontos em todos os assentos dos veículos, inclusive no traseiro central. Em seguida, o executivo destaca a necessidade de elevar a proteção contra impacto lateral e de trabalhar para ampliar a segurança dos pedestres.

Assista à entrevista exclusiva com Marcus Vinicius Agruiar, diretor técnico da AEA:




Tags: airbag, ABS, segurança, legislação, AEA.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV