Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 23/04/2012 | 17h51

Com Cide menor, cai a carga tributária da gasolina e do diesel

Conclusão é de estudo da FEA-USP

Agência Estado

Agência Estado

A carga tributária sobre a gasolina e o diesel recuou no último trimestre de 2011 no Brasil. A queda foi motivada pela diminuição do valor da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), medida tomada pelo governo para evitar o repasse ao consumidor dos reajustes sobre os combustíveis de petróleo. Estudo da Faculdade de Administração, Contabilidade e Economia da Universidade de São Paulo (FEA-USP) aponta que a carga média sobre a gasolina recuou para 36,79% no País entre outubro e dezembro do ano passado, ante uma média de 40% nos três meses anteriores, quando o levantamento começou a ser feito.

Coordenado pelo Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária da FEA-USP, em Ribeirão Preto (SP), o levantamento aponta ainda que a carga de tributos sobre o diesel caiu de uma média de 26,2% para 25,24% no País entre os períodos analisados. Entre outubro e novembro do ano passado, o governo reduziu duas vezes a Cide da gasolina: de R$ 0,23 para R$ 0,19 e para R$ 0,09, por litro. Já a baixa do diesel foi em novembro, de R$ 0,07 para R$ 0,047, por litro.

A Região Sudeste do Brasil tem a maior carga tributária incidente na gasolina, de 38,55%, sobre o preço comercializado na bomba. Registra ainda os dois estados cujos consumidores pagam mais impostos sobre a gasolina: Rio de Janeiro, com 40,75% de carga e o Espírito Santo, com 40,32% de carga. A Região Norte, com 35,33% de carga, é que possui menor tributação média sobre a gasolina, entre as cinco do País. Rondônia e Acre, com 34,54% e 34,60%, respectivamente, são os Estados com menor tributação sobre a gasolina.

A Região Nordeste é que mais tributa o diesel, com uma carga média de 29,82% sobre o preço final e a Bahia é o estado líder, com 38,21% de incidência de impostos no combustível de petróleo. As menores cargas tributárias sobre o diesel são no Sul, entre as regiões brasileiras, com 21,15%, em média, e no Rio Grande do Sul, entre os estados, com 19,94%, segundo o estudo da FEA-USP.

ETANOL

Já a carga tributária sobre o etanol hidratado permaneceu praticamente estável nos períodos avaliados e fechou o último trimestre de 2011 com uma média de 31,92%. Sobre o etanol não há a incidência da Cide, cuja criação ocorreu, entre outros fatores, para que gasolina e diesel financiassem estoques de álcool. Sobre o etanol incidem PIS/Cofins e o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) cuja alíquota varia de 12% a 29% entre os estados brasileiros.

A carga tributária do etanol chega a 33,51% no Centro-Oeste, a maior do País. Goiás, cuja alíquota do ICMS sobre o etanol saiu de 20% para 29% no ano passado, tirou do Rio de Janeiro o posto de estado que mais tributa o combustível. Os consumidores goianos pagam 37,89% de carga sobre o álcool hidratado e os fluminenses, 37,74%. São Paulo, com 21,26%, e o Sul, com 30,93%, são, respectivamente, o estado e a região com as menores cargas tributárias sobre o etanol.



Tags: gasolina, diesel, Cide, combustível, etanol.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência