Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 25/04/2012 | 13h28

Cadeia de fornecedores ganha grupo de trabalho no Brasil Maior

Iniciativa deverá viabilizar o cumprimento do conteúdo regional exigido no regime automotivo

Automotive Business

Redação AB

O Conselho Automotivo, um dos 19 grupos setoriais de competitividade criados dentro do Plano Brasil Maior (leia aqui), realizou sua primeira reunião na terça-feira, 24, no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, (MDIC). O grupo (foto) definiu como primeira ação a criação de um Grupo de Trabalho (GT) dedicado à cadeia de fornecedores do setor com o objetivo de viabilizar o cumprimento, pelas montadoras, do conteúdo regional exigido pelo novo regime automotivo.

O GT será composto por representantes do MIDC, Anfavea, Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Sindicato dos Metalúrgicos do ABC de São Paulo, Confederação Nacional da Indústria (CNI), além da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

A agenda de trabalho será definida nas próximas semanas, mas a secretária de Desenvolvimento da Produção do MDIC, Heloisa Menezes, adiantou que qualificação profissional e certificação de produtos estão entre os temas, informa o site do ministério. Durante a reunião, a secretária destacou a importância econômica do segmento e a necessidade do grupo em definir ações efetivas de incentivo à cadeia automotiva.

EM DEBATE

Na primeira reunião, os conselheiros identificaram os pontos fortes, as oportunidades e ameaças para o setor. Como destaques, estão o tamanho do mercado nacional, que é o quarto maior do mundo e a relevância da indústria automotiva para a economia brasileira. O faturamento do setor foi responsável por 5% do PIB e 23% do PIB Industrial, segundo dados de 2010, apresentados durante a reunião. Os pagamentos de tributos, como IPI, ICMS, Pis e Cofins chegaram a US$ 25,4 bilhões no mesmo ano.

Outro ponto forte apresentado pelo grupo foi a produção local diversificada - veículos leves, comerciais, máquinas agrícolas e autopeças – segmentos que geram 1,4 milhão de empregos diretos e indiretos. O volume de 3,4 milhões de unidades fabricadas em 2011 faz do País o sétimo maior produtor mundial de veículos.

Entre os desafios a serem superados pelo segmento estão a valorização do real em relação ao dólar, aumento nas importações de veículos e autopeças, inclusive de componentes eletrônicos, potencializada pela crise financeira nos principais mercados. Os conselheiros também consideraram como riscos ao setor a escassez de engenheiros, tecnólogos e técnicos formados no País, o custo Brasil, a burocracia e a legislação tributária.

METAS

Com a função de ser o espaço para a discussão de políticas e medidas setoriais de incentivo à indústria, o grupo tem como diretrizes a serem alcançadas até 2014 o fortalecimento da cadeia de autopeças, estímulo para aumentar as exportações de veículos e autopeças, incrementar a inovação e agregar valor em tecnologia, segurança e eficiência energética dos veículos produzidos no País, elevar a capacidade produtiva e investir na formação e qualificação da mão de obra.

Formado por integrantes do governo, empresários e representantes de centrais sindicais, o Conselho de Competitividade Automotiva tem como coordenador Paulo Sérgio Coelho Bedran, do MDIC, e Haroldo Fialho Prates, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES).



Tags: Conselho Automotivo, regime automotivo, competitividade, Brasil Maior, MDIC, Anfavea, Abimaq, CNI, Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Sebrae.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência