Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Duas Rodas | 27/04/2012 | 02h22

Motocicletas terão controle de emissões evaporativas em 2014

Modelo recém-lançado pela Honda no Brasil já se enquadra no Promot 4

Mário Curcio, AB

A fase 4 do Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares (Promot), que entra em vigor em janeiro de 2014, terá a inclusão do combate às emissões evaporativas. A informação foi revelada por Alfredo Guedes Júnior, engenheiro da Honda e consultor técnico da Abraciclo, associação que reúne fabricantes de motos e bicicletas.

Em sua apresentação nesta quinta-feira, 26, no Seminário de Emissões organizado pela Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), Guedes Júnior mostrou uma motocicleta recém-lançada pela Honda que já se enquadra no Promot 4 e portanto traz um componente semelhante ao canister dos automóveis.

O consultor recordou durante a apresentação que a primeira fase do Promot entrou em vigor em 2003, bem mais tarde que o Proconve, cujo início foi em 1988. “Em 2009, com a entrada em vigor do Promot 3, as motos se equipararam aos carros”, disse. Alfredo Guedes Júnior recorda que a primeira fase tinha como objetivo retirar de linha motocicletas com motores de dois tempos.

“Também foi preciso reduzir os níveis de emissão dos motores quatro tempos, que utilizavam muitas vezes uma mistura ar-combustível rica para baixar a temperatura na câmara de combustão.” O limite máximo de CO estipulado no Promot 1 era de 13 gramas por quilômetro. Em 2005, com o Promot 2, caiu para 5,5 g/km. Desde 2009, com a fase 3 do programa, o limite é de 2 g/km.

Com a entrada em vigor do Promot 4, os veículos de duas rodas terão de manter estáveis por determinada quilometragem os níveis de emissões estipulados pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).

Os ciclomotores, veículos com motorização até 50 cc, terão de conservar seus níveis de emissões por 10 mil quilômetros. Modelos com velocidade final superior a 130 km/h terão de preservar os níveis até 30 mil quilômetros. As motocicletas com velocidade máxima inferior a 130 km/h terão de manter as emissões estáveis até 18 mil quilômetros. É nesse último segmento que está a maioria dos modelos utilizados no motofrete. Isso significa que os motoboys podem atingir essa quilometragem (18 mil km) em 60 dias trabalhados, pois rodam 300 quilômetros por dia em média.

Outras mudanças para o Promot 4 já divulgadas anteriormente estarão nos procedimentos de ensaio de homologação. Esses processos ficarão mais rigorosos para a determinação dos gases de escapamento, seguindo os mesmos moldes da regulamentação da Comunidade Europeia. O controle de produção terá mudanças também. Segundo a Abraciclo, os fabricantes deverão apresentar semestralmente ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) um relatório com o resultado dos ensaios de emissões.

Esses testes deverão ser feitos em laboratórios acreditados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) ou aceitos pelo Ibama, seja no Brasil, seja no exterior.



Tags: Promot, Proconve, motos, motociclos, motocicletas, AEA, Seminário de Emissões, Honda, Alfredo Guedes Júnior, emissões evaporativas.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência