Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Grupo Fiat reformula estratégia de compras
A companhia destacou os próximos passos da integração durante a cerimônia de entrega do Qualitas Awards

Indústria | 26/04/2012 | 22h40

Grupo Fiat reformula estratégia de compras

Companhia acelera integração da Chrysler

GIOVANNA RIATO, AB | Do Rio de Janeiro (RJ)

Giovanna Riato, AB
Do Rio de Janeiro (RJ)


Depois de incorporar a Chrysler, o Grupo Fiat ajusta a estratégia de compras globais para ganhar competitividade. A companhia destacou os próximos passos da integração durante a cerimônia de entrega do Qualitas Awards, que reconhece os melhores fornecedores da montadora, entregue na quinta-feira, 26 (leia aqui).

Vilmar Fistarol, presidente mundial de compras da organização, destacou durante apresentação no evento o trabalho em curso para ampliar o número de fornecedores em comum entre as marcas. O plano é aumentar o compartilhamento dos atuais 57% para 65% em 2014. Com isso, o investimento anual em compras deverá saltar para US$ 90 bilhões nos próximos anos, inflado pela aquisição da Chrysler. Antes da incorporação da companhia, as compras ficavam em torno de US$ 30 bilhões. O crescimento do grupo, com a abertura de novas fábricas, também vai impulsionar o resultado.

“A integração exigirá também uma mudança cultural”, avalia o executivo. A companhia já trabalha para tornar viável a transformação e evidenciou isso no slogan da edição deste ano do Qualitas: “Juntos somos mais fortes.” Dentro do novo formato, foi definido também um processo único para todas as compras mundiais, batizado de One Voice. A ideia é que o contato da empresa com os parceiros siga a mesma orientação em qualquer parte do mundo, adaptada para cada região.

A estratégia vai impactar toda a área de compras do grupo, que conta com 50 unidades distribuídas em 20 países. A divisão é responsável por abastecer as fábricas da companhia com os insumos e componentes para produção dos cerca de 800 produtos do portfólio, com atuação em outros 900 projetos em desenvolvimento.

BRASIL: FALTA QUALIDADE

Na América Latina, onde a organização tem 23 fábricas, as compras devem chegar a US$ 10,2 bilhões este ano. O investimento acompanha o programa de expansão das vendas. Durante a cerimônia de entrega do Qualitas, a companhia destacou a necessidade de os fornecedores da região acompanharem os investimentos da empresa, que tem R$ 10 bilhões anunciados para até 2014.

Segundo a empresa, é importante que os parceiros trabalhem para alcançar patamares mais elevados de qualidade, o que garantiria à Fiat Chrysler melhores resultados com os clientes e negócios aquecidos em toda a cadeia de suprimentos. Fistarol aponta que a região oferece a vantagem de ter os grandes fornecedores locais já bem estabelecidos.

Apesar do contexto favorável, o Brasil ainda tem desafios para superar na opinião do executivo. Segundo ele, os fornecedores nacionais ainda não chegaram aos padrões mundiais de qualidade. “Ainda temos muito o que melhorar”, avalia, considerando aspectos como inovação, desenvolvimento e capacidade de abastecimento.

O novo regime automotivo, que determina investimentos em pesquisa e inovação e maior participação de peças produzidas localmente nos veículos, pode ser uma ferramenta importante para alavancar esse avanço. O Grupo Fiat garante que as medidas não resultaram em mudanças significativas no plano de compras para a montadora. Apesar disso, a companhia reconhece que é importante incentivar que a produção local acompanhe a expansão do mercado.


Confira como foi a entrega do Qualitas Awards e assista à entrevista exclusiva com Vilmar Fistarol, presidente mundial de compras do grupo:



Tags: Fiat, Chrysler, Qualitas, prêmio, fornecedores, autopeças, compras.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV