Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Tecnologia | 22/05/2012 | 13h30

Automóvel brasileiro é defasado, dizem especialistas

Mais de 70% de todas as inovações aplicadas aos veículos nacionais vêm prontas de fora

RICARDO COUTO, DO CARSALE

TECNOLOGIA 7*

Enquanto Estados Unidos, Europa e Ásia, com destaque para a China, avançam no desenvolvimento de tecnologia automotiva de ponta, o Brasil caminha a passos lentos nessa área, restringindo-se, com algumas exceções, à tropicalização (adaptação às condições locais) de modelos concebidos no exterior e a poucas evoluções em componentes periféricos de motores flex. Em termos de tecnologia, os carros brasileiros são despojados e muito defasados. Só agora eles estão começando a receber airbags e sistema de freios ABS, isso porque as normas de segurança estabeleceram que esses equipamentos devem se tornar obrigatórios em todos os veículos novos a partir de 2014.

No início de abril, o governo federal anunciou o novo regime automotivo, batizado Inovar Auto, que estabeleceu novas regras para a indústria de veículos, exigindo o cumprimento de etapas mínimas de processos produtivos, maior índice de nacionalização de conteúdo (compra de componentes locais) e de investimentos em inovação e engenharia para as montadoras já instaladas e empresas que pretendem se estabelecer no País.

Das quatro grandes montadoras atuantes no Brasil, Fiat e Ford são as que estão mais avançadas na aplicação de tecnologia de conectividade e interatividade a bordo e no desenvolvimento de novas gerações de motores, mais econômicos e evoluídos, com menor defasagem em relação ao que está sendo feito hoje pelas matrizes em termos globais.

“Para os próximos anos, podemos esperar carros mais verdes e inteligentes. Pneus com baixo atrito de rolamento, motores mais eficientes com tecnologias realmente palpáveis, ou seja, soluções que o consumidor pode pagar e carros mais conectados”, afirma Ricardo Dilser, assessor técnico da Fiat. Exemplos disso, segundo ele, são as versões Economy, que usam soluções simples e de baixo custo para o consumidor, como os pneus verdes, motor com variador de fase no comando de válvulas (Fire Evo), calibração de pedal de acelerador e gerenciamento de motor mais eficiente, voltado para o baixo consumo de combustível e redução nas emissões. “No futuro próximo, esta tendência deverá se fortalecer no setor automotivo”, explica.

De acordo com Dilser, a conectividade a bordo deve se massificar cada vez mais. Hoje, os carros da Fiat trazem sistemas que permitem a conexão sem fio de smartphones e dispositivos móveis, como iPod, ao equipamento de som do carro, aceitando a transferência de contatos da agenda telefônica (sem fio, pelo sistema Bluetooth) e a discagem por meio de comando de voz, como já ocorre nos modelos da Ford com os sistemas Sync e My Connection. “A conectividade deverá se ampliar e chegar definitivamente aos carros de entrada”, afirma.

Os carros brasileiros, segundo ele, ficarão mais seguros, com adoção de airbags e sistemas de freio ABS de série em todas as versões a partir de 2014, e também mais confortáveis, já que equipamentos como ar-condicionado, vidros elétricos e direção hidráulica (ou elétrica) deverão se tornar mais baratos e, portanto, mais acessíveis. “Em resumo, o consumidor poderá esperar por carros mais verdes, inteligentes, confortáveis, seguros e conectados.”

DEFASAGEM TECNOLÓGICA

Lançado com o pretexto de elevar o nível tecnológico do carro nacional, o novo regime automotivo deveria ter atrelado às suas regras a produção de veículos mais eficientes e de menor consumo energético, o que exigiria dos fabricantes a introdução de algumas tecnologias hoje já implantadas nos automóveis na Europa, mas acabou deixando essa exigência de lado.

Mesmo com alguns pequenos e recentes avanços na área mecânica e em itens de conforto, a realidade é que os carros compactos brasileiros vêm caindo em competitividade no exterior. “O Brasil está perdendo mercado exportador, inclusive para países latino-americanos, como Chile e México, onde há veículos importados mais evoluídos, entre eles europeus, coreanos, japoneses e chineses, por conta de anos de defasagem tecnológica de nossos produtos. Estamos atrasados e numa competição desigual”, diz Pedro Kutney, especialista em mercado e indústria automotiva, editor do Portal Automotive Business e colunista do Carsale.

A grande novidade hoje do carro compacto brasileiro é ter airbag e freios ABS, equipamentos já consagrados há muitos anos no exterior, até mesmo em veículos pequenos. “O Brasil ainda é tratado como País emergente pelos fabricantes, que vendem aqui carros defasados. Alguns deles são originários de marcas do Leste Europeu”, afirma Nivaldo Nottoli, ex-executivo do setor automotivo.

Apesar do atraso em relação aos países mais desenvolvidos, o Brasil deve avançar na tecnologia de veículos flex, que foi criada exclusivamente para o nosso mercado. “Atualmente, grande parte das inovações da indústria automotiva vem do exterior, trazida por grandes sistemistas globais. São eles que levam adiante a inovação. Alguns poucos itens são desenvolvidos aqui, como os sistemas flex. Do ponto de vista de eficiência energética, o carro bicombustível nacional ainda é ruim. Tem um campo enorme a ser percorrido. Nosso país precisa avançar na aplicação de injeção direta, turbocompressor, downsizing de motores, sistemas eletrônicos mais eficientes, entre outros. Tudo isso pode significar um ganho de eficiência, que pode ser obtido nesta década”, explica Kutney.

Na sua opinião, o mercado brasileiro poderá introduzir inovações em automóveis compactos e se tornar especialista em carros do segmento B, “mas só conseguirá desenvolver 30% dos componentes aqui, já que os 70% restantes virão de fora.”

ESTÁGIO EMBRIONÁRIO

Segundo os especialistas, boa parte de nossa defasagem tecnológica é associada às características do mercado brasileiro, que praticamente está começando a se motorizar e ainda vende muito carro popular. “Enquanto o Brasil não motorizar a sua população, não vai investir em tecnologia, porque aqui se vendem carros simples, do segmento de entrada, ao contrário dos europeus, coreanos e japoneses. Esses países fizeram grandes investimentos em pesquisa e desenvolvimento. Aqui, o que vale é preço. A tendência é o Brasil perder mercado no exterior, porque não temos produtos evoluídos para exportar, e ficar atrasado em relação aos demais”, afirma Nottoli.

Em entrevista recente ao Carsale, Henning Dornbusch, presidente da BMW do Brasil, afirmou que o desenvolvimento de pesquisa e tecnologia no País ainda está num estágio embrionário. “Não temos universidades e centros técnicos de excelência, sendo que tudo o que é novidade por aqui vem de fora. Tínhamos de ter mais intercâmbio e integração com os grandes centros de pesquisa das montadoras no exterior e pensar em montar uma estrutura semelhante.”

Segundo o executivo, o motorista brasileiro não se importa com equipamentos de segurança ou itens de conforto sofisticados. “O principal argumento de venda para o consumidor ainda é o preço, já que este despreza componentes mais importantes, principalmente de segurança”, afirma.

A tecnologia no Brasil segue com atraso o que as matrizes desenvolvem em seus centros de pesquisas no exterior, atualmente centralizados na Ásia, Europa e nos Estados Unidos, segundo o engenheiro Francisco Satkunas, conselheiro da Sociedade dos Engenheiros da Mobilidade (SAE). “Nosso País vai ser sempre um seguidor de tendências, porque as montadoras locais são apenas braços de multinacionais. Aqui não existe pesquisa pura”, explica.

VOCAÇÕES NATURAIS

Para o engenheiro, o País deveria aproveitar melhor as inovações que já estão disponíveis nas matrizes. “Não devemos esperar que o Brasil tenha algum dia uma tecnologia excepcional”, afirma. Mesmo assim, segundo Satkunas, o País deveria se concentrar na otimização dos carros flex, buscando maior eficiência energética, e na exploração de fibras naturais para aplicação em revestimentos de veículos, que é sua vocação natural.

De acordo com Gerson Fini, vice-presidente da divisão Gasoline Systems da Bosch, apesar de ainda pouco explorados pelas montadoras, os sistemas de partida a frio Flex Start, que pré-aquecem o combustível (no caso, o etanol) e dispensam o reservatório extra de gasolina, são uma grande tendência para os próximos anos. “Em 2015 teremos 50% dos veículos sem tanquinho. Em 2018, podem chegar a 90%”, afirma o executivo.

* TECNOLOGIA 7 – O texto acima foi veiculado originalmente no Carsale. Este é o sétimo artigo da série especial de oito reportagens sobre tecnologia automotiva que o jornalista Ricardo Couto, gerente de conteúdo do Carsale, preparou para os leitores do site. A série é republicada também aqui no Portal Automotive Business. Será publicado um artigo por dia.

Veja os demais artigos já publicados:

- TECNOLOGIA 1 – Motores serão reinventados até 2020

- TECNOLOGIA 2 – Indústria busca leveza e eficiência em todos os sistemas dos carros

- TECNOLOGIA 3 – Híbridos aproveitam evolução dos motores e custam cada vez menos

- TECNOLOGIA 4 – Carros elétricos devem emplacar até 2020

- TECNOLOGIA 5 – Carro movido a hidrogênio logo estará nas lojas

- TECNOLOGIA 6 – Veículos poderão rodar sem a intervenção do motorista



Tags: Tecnologia, tendências, artigo, indústria automotiva, Carsale, Ricardo Couto.

Comentários

  • Alom

    O presidente da BMW disse tudo: "O principal argumento de venda para o consumidor ainda é o preço, já que este despreza componentes mais importantes, principalmente de segurança". Enquanto que essa posição do mercado vigorar, enquanto estivermos dispostos a andar sobre caixões sobre rodas, nossas rodovias irão continuar sendo matadouros coletivos e os automóveis continuarão a deformar sobre nossas cabeças nas menores batidas. Que Deus ajude!

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência