Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 06/06/2012 | 16h51

Exportações caem 12,3% em cinco meses

Automóveis puxam queda: segmento retrai 12,4% no período

SUELI REIS, AB

Enquanto o mercado interno tenta retomar o fôlego aproveitando as medidas de incentivos dadas pelo governo, as exportações de veículos seguem tendência de queda, conforme números apresentados nesta quarta-feira, 6, pela associação das fabricantes, a Anfavea. De janeiro até maio, o Brasil exportou 197,1 mil unidades, incluindo veículos leves, caminhões e ônibus, volume 12,3% abaixo do registrado em iguais meses de 2011.

Por segmento, automóveis e comerciais leves tiveram a maior queda no período acumulado, 12,4% menos que os embarques do ano passado, para um total de 175 mil unidades. Os volumes de caminhões e ônibus recuaram 10,6% e 10,4% respectivamente, para 9,3 mil e 2,06 mil unidades.

No mês passado, o setor anotou o menor volume embarcado do ano até agora, 26,7 mil unidades, o que representou queda de 40,2% sobre maio de 2011. Na comparação com abril houve retração de 45,2% sobre abril, puxado pelo segmento de automóveis, cujo volume foi 48,8% menor. As exportações de caminhões em maio cresceram 35% sobre abril, para pouco mais de 2 mil unidades, e as de ônibus somaram 2,6 mil, alta de 65,4% na mesma base de comparação.

O presidente da Anfavea, Cledorvino Belini, atribuiu a queda à crise internacional. “Os mercados tradicionais não estão comprando, percebemos uma queda brutal nos volumes da Europa e a América Latina tem sentido esse efeito. Por outro lado, o câmbio melhorou e poderá ajudar no surgimento de novos pedidos.”

Belini acrescentou que as exportações são resultado de contratos de longo prazo, o que torna a retomada mais demorada, mas acredita em melhora do cenário internacional.

VALORES

Diferente de volumes de vendas, as exportações em valores cresceram 10% nos primeiros cinco meses do ano na comparação com igual período de 2011, estima a Anfavea, para US$ 5,2 bilhões, valor que não considera máquinas agrícolas. Segundo Belini, o fator de queda no volume, mas alta em valor se deve ao envio de produtos de maior valor agregado, como caminhões, e pelo aumento do embarque de autopeças. “A questão cambial e o reposicionamento de preço no mercado externo também favoreceram”, completou.



Tags: Anfavea, exportações, veículos, Cledorvino Belini.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência