Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Tavares: Renault considera lançar marcas de luxo
Calos Tavares, COO do Grupo Renault

Negócios | 20/06/2012 | 20h10

Tavares: Renault considera lançar marcas de luxo

Companhia planeja quer avançar na China e na Rússia. Sobre o Brasil, nenhuma palavra.

REDAÇÃO AB

Em entrevista à agência Bloomberg no início desta semana, o chefe de operações (COO) do Grupo Renault, Carlos Tavares, revelou que a empresa pretende acrescentar ao seu portfólio duas marcas de luxo, para ampliar sua rentabilidade na parte de cima do mercado. Ao mesmo tempo, o executivo confirma que a companhia segue com sua estratégia de ampliar atuação em mercados emergentes, para depender menos das vendas na Europa, em queda no momento.

Segundo Tavares, a Renault poderá relançar a Alpine (que comprou nos anos 1970 e fechou nos 1990) e recriar seus modelos esportivos. Também está nos planos a criação de outra marca de luxo, que poderá ser a Initiale Paris, hoje usada para séries especiais. Com isso, o grupo francês ficaria com quatro marcas: a romena Dacia para desenvolver carros espartanos de entrada (é o que restou para o Brasil), a Renault ficaria com os segmentos generalistas de maiores volumes, a Alpine nomearia esportivos e a Initiale Paris ficaria para automóveis de alto padrão.

Atualmente, a Renault não atua no segmento de alto luxo. Seu modelo mais caro na Europa é a minivan Espace (€ 35,1 mil), vendida praticamente pela metade do preço, por exemplo, de um sedã A8 (€ 78,8 mil), da Audi, a divisão de luxo do Grupo Volkswagen. A Renault quer agora explorar a parte alta do mercado para diminuir sua dependência da parte baixa, no momento em que suas vendas recuam em um de seus principais espaços, o Leste Europeu, onde os emplacamentos caem pelo quinto ano consecutivo e a marca faz 65% dos negócios, justamente com modelos de rentabilidade menor.

“Nós devemos ter um dia uma marca de luxo. Isso ajudaria do ponto de vista da rentabilidade, assim como acontece com a Audi para a Volkswagen”, disse Tavares à Bloomberg. É fato: a Audi respondeu por 44% do lucro operacional do Grupo Volkswagen no primeiro trimestre de 2012, mas representou só 15% do total das vendas da companhia no período.

No mês passado, o jornal francês Les Echos publicou que a Renault tomará uma decisão até o fim deste ano sobre a criação das marcas Alpine e Initiale Paris. Em fevereiro, Tavares deu uma pista sobre o desenvolvimento de um novo modelo de luxo: ele afirmou que a Renault estava no estágio inicial de um projeto baseado na plataforma do sedã Mercedes-Benz Classe E, dentro do acordo de desenvolvimento conjunto que o grupo francês firmou com o alemão Daimler em 2010.

Outra possibilidade é usar a sociedade já estabelecida com a Nissan, que nos Estados Unidos criou em 1989 a linha de luxo Infiniti. Tavares conhece bem o produto e essa estratégia, pois antes de assumir a chefia de operações do Grupo Renault, em julho de 2011, estava no comando da Nissan Américas.

EXPANSÃO NOS EMERGENTES

Ao mesmo tempo em que planeja ampliar o leque de marcas, a Renault quer aumentar sua velocidade de expansão fora da Europa, especialmente nos emergentes. Na Rússia, que pode ultrapassar a Alemanha em vendas a partir de 2014, após a aquisição da AvtoVaz, fabricante da bem vendida marca Lada, a Aliança Renault Nissan tem a meta de aumentar sua participação no país dos atuais 33% para 40%. Na China, o maior mercado automotivo do mundo atualmente, a empresa francesa assinou uma tentativa de acordo de produção com o Dongfeng Motor Group. A Renault também negocia com o governo da Argélia a construção de uma fábrica visando ao crescimento no norte da África.

“Você ficará surpreso em poucos anos quando verificar a participação de mercado que vamos ter em algumas regiões fora da Europa”, disse Tavares à Bloomberg. Sobre o Brasil e Mercosul, estranhamente, o executivo nada disse, apesar de ser um mercado emergente onde a Renault experimenta o melhor desempenho de sua história, com expressivo crescimento das vendas, baseado em uma linha de produtos adaptados da Dacia.



Tags: Renault, Carlos Tavares, Alpine, Initiale Paris, Nissan, luxo, portfólio, emergentes.

Comentários

  • carlos catalao

    È motivo de orgulho, especialmente de quem gosta da industria automóvel, ver um português nestas funções. Parabéns.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência