Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Negócios | 27/06/2012 | 18h31

Usiminas nega vender ativos ou elevar capital agora

Empresa considera que unidades Mecânica e Automotiva ainda podem gerar valor

AGÊNCIA ESTADO

A Usiminas descartou a necessidade, neste momento, de aumentar o capital ou vender ativos, como as unidades Mecânica e Automotiva, para melhorar a saúde financeira da companhia que, ao longo dos últimos trimestres, vem sofrendo com a pressão em suas margens de rentabilidade. Segundo o presidente da siderúrgica mineira, Julián Eguren, as duas unidades, que já estiveram na pauta da diretoria para desinvestimento (leia aqui), ainda podem gerar valor e ajudar a empresa a ganhar competitividade. Apesar da consideração, o executivo disse que isso não significa que, futuramente, não se decida pela venda desses ativos.

O executivo disse, após participar de painel no Congresso Brasileiro do Aço, que acontece em São Paulo, que desde a sua chegada, em janeiro deste ano, a Usiminas está focada em mudanças internas, com grande esforço para a redução de custos e ganho de eficiência nas operações, medidas que devem melhorar a saúde financeira. "Estamos promovendo um grande corte nos custos. Nós temos que exigir mais da empresa."

Para Eguren, a melhoria no desempenho não deverá ocorrer "do dia para a noite" e a melhoria percebida no balanço da empresa, que no primeiro trimestre do ano apresentou prejuízo, ainda levará um tempo. Ele afirmou que a ocupação da capacidade instalada já está mais favorável e hoje se situa entre 80% e 83%. "A Usiminas retomará a sua trajetória de competitividade e de lucratividade, e voltará a ser protagonista do setor", disse. No entanto, não quis firmar que os lucros retornarão ainda este ano.

Um dos desafios, considera o presidente da Usiminas, é acabar com a importação direta e indireta de aço no País. Segundo ele, a intenção é ocupar o espaço atualmente dos produtos importados. Sobre os preços do aço, não deu estimativas e afirmou que qualquer ajuste dependerá do preço internacional. "Estamos mais preocupados com o serviço ao mercado interno. Hoje o preço no Brasil é muito competitivo."

O executivo disse, ainda, que as sinergias com a Ternium, companhia argentina que adquiriu fatia da Usiminas no ano passado, estão acontecendo e devem crescer. Ele informou que a companhia mineira já está vendendo placas para a Ternium no México, mas a preço de mercado. "A Ternium é um cliente."

MINERAÇÃO

O presidente da Usiminas declarou que a primeira fase do projeto de mineração da companhia está em pleno andamento e a produção de 12 milhões de toneladas de minério de ferro deverá ser alcançada no fim de 2013. Para a meta de 29 milhões de toneladas, anteriormente divulgada para 2015, Eguren preferiu dizer que o projeto ainda está em fase de estruturação.



Tags: Usiminas, siderúrgica, aço, capital, ativos, Julián Eguren.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência