Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 29/06/2012 | 19h10

Brasil e Argentina debaterão acordo automotivo em julho

Países definirão nova política bilateral para 2014

REDAÇÃO AB

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Fernando Pimentel, e a ministra da Indústria da Argentina, Débora Giorgi, iniciaram as tratativas da política de um novo acordo automotivo entre os dois países que deve vigorar a partir de 2014 (o acordo atual expira no fim de 2013). Durante o encontro dos dois ministros e suas equipes na noite de quinta-feira, 28, em Mendoza, Argentina, dentro do âmbito da Cúpula do Mercosul, os países agendaram para 14 de julho uma nova reunião, desta vez em Brasília (DF), para diagramar a integração produtiva da cadeia automotiva dos dois países, que hoje responde por 52% de todo o comércio do Mercosul.

Os dois ministros concordaram na necessidade de integrar as fases do projeto produtivo dos países em um modelo que já estaria adequado ao novo regime automotivo brasileiro, que entra em vigor em 2013, com a exigência de aumento de conteúdo nacional. A integração regional consistiria no tratamento “nacional” por parte do Brasil de processos produtivos, peças e componentes fabricados na Argentina para fins de concessão de incentivos estabelecidos no programa Inova Auto, do Brasil Maior.

“Excluiríamos do cálculo do conteúdo regional tudo o que não tenha relação direta com a produção”, disse o ministro Pimentel em nota divulgada pelo MDIC.

A pauta inclui um modelo de comércio inter-regional para recuperar o espaço perdido frente aos componentes importados de fora da região. O déficit de autopeças com outros países figuram US$ 22 bilhões do Brasil e US$ 6,9 bilhões da Argentina, informou uma fonte do governo argentino citado em reportagem da Agência Estado.

Os governos também deverão definir incentivos comuns para estimular pesquisa, desenvolvimento e inovação no setor, além de mecanismos comuns para evitar que incentivos nacionais aloquem investimentos apenas em seu país.

Em Mendoza, os ministros também discutiram sobre a criação de um programa de compras governamentais, que permitiria aos dois governos pagar mais por produtos originários do Brasil e da Argentina, semelhante ao programa de compras governamentais do governo brasileiro, que permite o pagamento de até 25% a mais nas licitações por produtos fabricados localmente quando comparados com os importados.



Tags: Acordo automotivo, bilateral, indústria, MDIC, Fernando Pimentel, cadeia produtiva.

Comentários

  • Joney Soza Gouveia

    O que não podemos, é continuar como mero espectadores assistindo a crescente evolução no setor automotivo dos Asiáticos. Ganhando prêmios e conquistando o mercado mundial. Afinal somos sim duas nações com seus costumes, suas idéias e sua leis, mas acima de tudo somos fortes representandes de um "CONTINENTE". Temos que parar de apenas produzir peças de carros (Europeus, Norte-Americanos e Asiáticos) e efetivamente " Pensar, Criar e principalmente Transpirar" para termos NOSSSO PRODUTO. Somos competentes, trabalhadores e consumidores , inclusive de algumas "Carroças " fabricas por esses caras e vendidas aqui.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência