Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 10/07/2012 | 21h45

Sem definição de cotas para importados, Abeiva projeta retração de 40% nas vendas

Vendas de associados da entidade já recuaram 21,6% no 1º semestre

GIOVANNA RIATO, AB

Os importadores de veículos sem fábrica no Brasil registraram retração de 21,6% nas vendas no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período de 2011, para 70,9 mil unidades. A queda, divulgada pela Abeiva, entidade que representa as empresas do setor, é efeito combinado do adicional de 30 pontos no IPI de carros importados de fora do Mercosul e do México e da alta da cotação do dólar no período. Em junho a queda foi ainda mais profunda, de 41,4% na comparação com o registrado há um ano e de 9,6% sobre o mês anterior, para 11,2 mil.

A situação preocupa Flávio Padovan, presidente da Abeiva. Segundo ele, o desconto no IPI anunciado pelo governo no fim de maio não trouxe alívio para o segmento. “A medida beneficiou apenas veículos menores. Além disso, já tínhamos o impacto do aumento de 30 pontos da alíquota”, explica. Padovan calcula que a tributação chega a 190% sobre o preço de veículos importados. Nesse cenário, a entidade projeta queda de 40% nas vendas do ano em relação ao anotado em 2011, para cerca de 120 mil carros.

COTAS DE IMPORTAÇÃO

Na visão da Abeiva, a única forma de reverter a retração é com o estabelecimento de cotas de importação, um volume que possa ser trazido do exterior sem o IPI majorado. “O Ministério do Desenvolvimento mostrou estar sensível ao assunto. Apesar disso, nenhuma atitude foi tomada por enquanto”, lamenta Padovan. Em reunião com a imprensa na primeira metade de maio, ele havia declarado que o governo tinha se comprometido a definir as cotas até o fim daquele mês (leia aqui). Apesar disso, nenhuma regra foi definida.

“Eu tinha a confirmação de que a nova regra seria anunciada, mas isso não foi feito. Agora espero que o governo tenha bom senso e anuncie condições para manter o segmento vivo”, afirma. O executivo também não sabe dizer qual poderá ser o critério para definir os volumes que poderão ser importados. “É possível que seja indicada uma cota fixa para cada marca, ou uma quantidade para o segmento, com base as vendas do ano passado”, especula.

O dirigente avisa que, sem alívio rápido, a queda nas vendas poderá trazer consequências sérias. Segundo ele, a baixa já resulta em demissões. Levantamento da associação aponta que um total de 10 mil vagas devem ser fechadas nos próximos meses, diminuindo para 25 mil o número de empregos nas importadoras e concessionárias. Outro risco apontado por Padovan é a redução do tamanho das redes, que hoje somam 902 revendas, e até o encerramento da atividade de algumas marcas no Brasil.

“Esses cortes compensam o aumento da arrecadação que o governo obteve com a elevação dos tributos sobre veículos importados”, lembra. Com a redução do quadro de funcionários das empresas, a entidade calcula que o setor deixe de pagar R$ 2,4 bilhões em impostos este ano.

AMEAÇA QUE VEM DO MÉXICO

Os importadores de veículos da Abeiva responderam por 4,3% do mercado no primeiro semestre do ano. No ano passado as vendas da entidade representavam 5,5% do total. “Não podemos dizer que isso é uma ameaça”, defende Padovan. Segundo ele, o volume mais expressivo de importações vem do México, trazido pelas montadoras com fábricas no Brasil. Entre janeiro e junho, os carros produzidos no país garantiram presença de 15,8% nas vendas.



Tags: Abeiva, importados, mercado, Flavio Padovan.

Comentários

  • Fabiane Moreno

    Realmente é complicada a situação do Brasil com relação a medidas econômicas, estamos vivendo e uma fase de ações extremamente emergenciais. O Governo, por usa vez, tem a responsbilidade de estudar qual será o menor estrago porque não consegue planejar ações que façam os setores seguirem em frente mesmo que uns mais e outros menos.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência