Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Porsche: crise passa longe da fábrica de Leipzig
Pista de testes ao lado da fábrica da Porsche em Leipzig

Indústria | 11/07/2012 | 21h50

Porsche: crise passa longe da fábrica de Leipzig

Unidade produz Cayenne e Panamera em três turnos e vai dobrar de tamanho com o Macan

PEDRO KUTNEY, AB | De Leipzig (Alemanha)

A crise que abala a Europa parece passar longe da fábrica da Porsche em Leipzig, na Saxônia, Estado da antiga Alemanha Oriental que renasceu economicamente após a reunificação alemã, nos anos 1990. Inaugurada há apenas 10 anos, a planta opera a todo vapor, em três turnos, para montar 500 carros por dia – dois terços da produção são do utilitário esportivo Cayenne, o grande sucesso comercial da marca no mundo, e o outro terço são do Panamera, o esportivo cupê de quatro portas lançado no fim de 2008. Cerca de metade dos carros é exportada para fora da Europa, principalmente para os Estados Unidos. Para se ter ideia da importância que essa unidade ganhou para a Porsche, basta verificar os números de 2011, quando 94 mil dos 120 mil carros produzidos pela empresa na Alemanha, ou 78%, saíram da linha de montagem de Leipzig.

Inaugurada em agosto de 2002 para produzir a terceira plataforma da Porsche, o SUV Cayenne, a fábrica consumiu investimento de € 127,7 milhões; e mais € 500 milhões foram gastos em pesquisa, desenvolvimento e marketing do novo produto. Mas Leipzig pagou rapidamente os acionistas, tornando-se um exemplo mundial de produtividade que catapultou os resultados da Porsche, por anos seguidos listada como uma das empresas mais rentáveis do mundo. No fim de junho passado foi comemorado o marco de 500 mil veículos produzidos em Leipzig.

E a planta não para de crescer: depois de dobrar de tamanho em 2009, com a construção de um prédio adicional de montagem de 25 mil metros quadrados e um centro logístico de 23,5 mil metros quadrados, Leipzig se prepara para outro salto, que dobrará de novo a capacidade com investimentos de mais € 500 milhões, para a construção de linhas de soldagem de carrocerias e de pintura, além da expansão da montagem final, para acomodar a produção do Macan, o novo utilitário esportivo que a Porsche lançará em 2013. Com isso, o atual número de empregados também vai dobrar, dos atuais mil para 2 mil.

PRODUÇÃO ENXUTA



Apesar da alta produtividade, em Leipzig nada lembra correria na linha de produção – a não ser a imagem dos carros esportivos, claro. Tudo ocorre suavemente, sem sobressaltos. Não há estoques, os componentes chegam em pequenos carrinhos e nunca há mais do que dois na fila para abastecer cada etapa da linha de montagem. Cada um traz peças na medida exata para cada carro, de acordo com a encomenda de cada cliente. Isso mesmo: quase todos os veículos que entram em produção já têm donos, pois foram encomendados com antecedência. Ou seja, a rentabilidade é garantida por modelos de alto valor agregado, produzidos em alta escala e com custos enxutos, cuja demanda é maior do que a oferta – é o paraíso da lucratividade.

Hoje somente a montagem final dos veículos é feita em Leipzig. Todos os dias, um trem vindo da Volkswagen em Bratislava, na Eslováquia, estaciona dentro da fábrica trazendo o número exato de carrocerias soldadas e pintadas dos Cayenne que serão montadas no dia. Outro trem vem de Hannover, na própria Alemanha, trazendo as carrocerias do Panamera, também soldadas e pintadas pela Volkswagen. Os motores vêm todos da histórica sede da Porsche em Stuttgart. Toda a logística e sistema de produção enxuto foi planejado pela Porsche Consulting, que passou a usar o exemplo de Leipzig para vender essa preciosa receita a diversas outras empresas, incluindo muitas fora do setor automotivo.

Além de fábrica, Leipzig também é um centro de recepção de clientes, onde muitos vão receber seus carros pessoalmente, em um programa completo em que podem receber aulas de pilotagem na pista de testes da Porsche, comprar roupas e acessórios, almoçar no restaurante do imponente prédio redondo e ainda visitar, no último andar, o pequeno museu com alguns dos principais carros da mítica marca alemã. Assim, além de carros, a Porsche vende emoção e sofisticação, na medida certa para manter seus cofres sempre cheios.



Tags: Porsche, Leipzig, Alemanha, crise, fábrica, investimento, Panamera, Cayenne, Macan.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência