Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 17/07/2012 | 20h13

Anfir espera queda de 11,5% na produção de implementos

Ainda assim, este será o 3º melhor ano

GIOVANNA RIATO, AB

A Anfir, associação que reúne os fabricantes de implementos rodoviários, divulgou na terça-feira, 17, nova expectativa para o setor este ano. A entidade espera que a produção diminua 11,5% na comparação com 2012, para 173,4 mil unidades. Apesar do volume pequeno, as exportações devem apresentar resultado positivo em 4,2%, para 5,5 mil unidades. “O alto nível de customização dos equipamentos é uma das barreiras para o crescimento das vendas internacionais. Outro ponto crítico é a diferença entre a legislação de cada país”, esclarece Alcides Braga, presidente da entidade.

A produção da linha pesada, que inclui reboques e semirreboques, terá retração maior, de 14,4%, para 50,8 mil equipamentos. A linha leve, de carrocerias sobre chassis, poderá diminuir 10,8%, para 117,1 mil unidades. Ainda assim, o ano deverá ser o terceiro melhor já registrado pelo setor.

O dirigente da organização aponta que, mesmo com os incentivos anunciados pelo governo nos últimos meses, será difícil recuperar as perdas da primeira metade do ano. Dessa forma, a retomada dos negócios prevista inicialmente para junho, deve ficar para entre agosto e setembro. “Já perdemos este mês”, avalia.

Braga afirma que as empresa ainda enfrentam dificuldades para acessar as linhas de crédito com as novas condições do BNDES/Finame, com taxa de 5,5% ao ano, prazo de até 120 meses e possibilidade de financiar 100% do valor do bem. Na opinião dele, as condições são ótimas, mas ainda há barreiras para obter nos bancos privados. “Esperamos que essa situação melhore logo."

A entidade estima que o setor tenha hoje cerca de 35% de capacidade ociosa nas fábricas. Com isso, mesmo com os incentivos às vendas, as empresas poderão ter dificuldade para atender a demanda dos próximos meses. “Ninguém cortou empregos ou reduziu as estruturas. Muitas companhias, no entanto, reduziram encomendas de componentes. Algo que pode levar tempo para retomar”, analisa.

A diminuição das compras de autopeças pode ser um problema caso os pedidos cresçam rapidamente, algo esperado após o anúncio do PAC Equipamentos, programa de compras governamentais com investimento total de R$ 8,4 bilhões que serão aplicados em veículos e equipamentos. Por enquanto, o executivo aponta que o setor não sentiu os efeitos do pacote, mas prevê aumento dos pedidos até o fim do ano.

A Anfir reconhece que este será um ano de queda, mas enxer como um caminho natural a retomada do crescimento a partir de 2013. “Não poderemos mais adiar. Teremos uma reação forçada das encomendas com a proximidade de eventos como as Olimpíadas e a Copa”, antecipa.

1º SEMESTRE

Na primeira metade do ano a entidade contabilizou retração de 9,3% nos emplacamentos do setor, para 82,4 mil unidades. As vendas da linha leve ficaram 7,8% menor na comparação com o ano passado, com 18,9 carrocerias sobre chassis. Já o volume da linha pesada diminuiu 13,3%, para 25,4 mil equipamentos. A queda, no entanto, foi sensivelmente menor do que a registrada no setor de caminhões, que viu os negócios encolherem 15,1%, para 70,4 mil veículos.

Braga explica que os fabricantes de implementos rodoviários não foram impactados tão fortemente pela mudança da legislação de emissões de Euro 3 para Euro 5 (ou Proconve P7). “Muitas vezes também o cliente compra mais de um implemento para o mesmo caminhão”, explica.

Assista à entrevista exclusiva com Alcides Braga, presidente da Anfir:



Tags: Anfir, implementos rodoviários, vendas, negócios, projeção.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência