Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Insumos | 25/07/2012 | 20h24

Fundidos: produção cai 10,3% no semestre

Veículos pesados puxam queda, diz Abifa

SUELI REIS, AB

A produção nacional de fundidos recuou 10,3% no primeiro semestre na comparação com igual período do ano passado, para 1,5 milhão de toneladas, segundo dados divulgados nesta quarta-feira, 25, pela Associação Brasileira de Fundição (Abifa). O resultado mostra que enquanto a produção de ferro, com 1,2 milhão de toneladas, retraiu 13,1%, a de aço cresceu 10,3% no mesmo período, para 148,9 mil toneladas. O volume produzido de metais não-ferrosos, incluindo alumínio, fechou o semestre em queda de 1,6%.

O presidente da entidade, Devanir Brichesi, atribuiu o desempenho ao setor automotivo, que consome 57% dos produtos fundidos no Brasil.

“O primeiro semestre foi pífio para a produção de veículos, porque os estoques estavam altos, resultando até em férias coletivas nas fabricantes de veículos pesados (caminhões e ônibus), segmento que mais consome fundidos no Brasil.”

Contudo, o executivo aponta que no segundo semestre deve haver melhora no cenário de fundidos, impulsionada pelo próprio setor automotivo, a partir do aumento da produção de caminhões, que segundo ele, estão com baixos estoques. “A produção de veículos pesados sobe por uma questão de ajuste no estoque e na medida em que se concretiza a redução dos juros nos financiamentos para os clientes via Finame PSI.”

Na contramão do mercado interno, as exportações, com 17% de participação na produção, cresceram 4,5% em volume, para 250,6 mil toneladas e 5,4% em valores, para US$ 761,6 milhões. Do total embarcado nos seis primeiros meses do ano, os Estados Unidos consumiram 58% dos fundidos brasileiros, seguidos pela Europa, com 14%.

PROJEÇÕES 2012

Além da recuperação do segmento de veículos pesados, que deve puxar a produção de fundidos, Brichesi enumerou outros fatores que influenciarão as atividades da indústria de fundição na segunda metade do ano, como o PAC Equipamentos, programa de compras de veículos e equipamentos pelo governo anunciadas no fim de junho, que determina preferência por produtos nacionais, como forma de alavancar a indústria (leia aqui).

Apesar do cenário otimista, a entidade revisou para baixo as projeções de produção de fundidos para o ano. Em sua primeira análise, apresentada em dezembro do ano passado, a Abifa esperava crescer 6% em 2012, para 3,5 milhões de toneladas. Após a passagem do primeiro semestre, as projeções apontam para uma quase estabilidade, com pequena retração de 0,9% e volume de 3,3 milhões de toneladas. A associação manteve as mesmas projeções de crescimento em cada tipo de metal para o segundo semestre, o que deve compensar a queda registrada no primeiro semestre, para chegar ao resultado previsto para o ano.

“Se empatarmos com o ano passado, nos damos por satisfeitos”, disse Brichesi ao apresentar os novos números das projeções.

PLANO DE ACELERAÇÃO EM PAUSA

O setor estima que para atender as necessidades do mercado nacional a médio prazo, a Abifa calcula que deve aumentar sua capacidade instalada em 2,7 milhões de toneladas e passar das atuais 5 milhões para 7,7 milhões de toneladas até 2017. Neste período, a entidade espera aumentar a produção para 5,7 milhões de toneladas.

Os investimentos necessários do setor para concretizar esses volumes somam US$ 4 bilhões, aponta estudo da entidade, entre 2012 e 2017. A entidade considera a demanda de fundidos pelos setores automotivo, com o aumento da demanda interna prevista para 2020 em 6,3 milhões de veículos, o setor de máquinas e equipamentos alavancados pelas obras de infraestrutura e dos eventos esportivos que o País sediará em 2014 e 2016 e os setores de mineração, petroquímica, investimentos no Pré-Sal e em transportes.

Os cálculos, entretanto, são “estimativas hipotéticas”, afirma Brichesi, avaliando que para concretizar tal cenário é necessário medidas para impulsionar a demanda interna.

“Muito se tem feito para reforçar e acelerar o consumo, mas faltam medidas pontuais para aumentar nossa competitividade e o que se tem sobre isso ainda é insuficiente”, concluiu.



Tags: Abifa, fundição, ferro, aço, alumínio, veículos pesados.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência