Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Consultoria | 06/08/2012 | 16h50

Inovação: palavra de ordem para a indústria

Para especialistas, é preciso investir com o governo em produtos, processos e gestão

MARTA PEREIRA, PARA AB

Inovação gera competitividade, que gera mais vendas, que gera mais produção, que gera lucratividade, que gera mais investimentos, inclusive em inovação. A lógica desse círculo virtuoso é simples e sustentável. Mas na prática a situação se complica um pouco, como falaram Luc de Ferran, consultor de empresas no setor automotivo, Valter Pieracciani, sócio-diretor da Pieracciani Desenvolvimento de Empresas, e Bruno Jorge Soares, da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), durante o painel “Estratégias em Engenharia, Produto, P&D e Inovação”, no Workshop Indústria Automobilística – Planejamento 2013, realizado por Automotive Business na segunda-feira, 6, no Grand Hyatt, na capital paulista.

Para inovar, como explicou Ferran, as empresas precisam fazer um exercício interno, entender o que fazem, onde pretendem chegar, avaliar o que o mundo faz e serem extremamente focadas. Tudo isso, aliado a uma estrutura organizacional com no máximo quatro níveis e a uma lógica na criação de produtos, atendendo às necessidades dos clientes e comprometida com a mobilidade urbana. “É importante ressaltar que o Brasil tem capacidade para desenvolver veículos globais e que há intercâmbio entre os vários centros de engenharia, o que derruba a velha desculpa de que as matrizes mandam”, disse.

Para Pieracciani, o setor tem de buscar os incentivos do governo para inovação, gerando desenvolvimento econômico, margens sustentáveis e competitividade sistêmica. “É importante entender que inovação não se refere apenas ao lançamento de produtos e serviços. É possível inovar em gestão, processos produtivos, em geração de novos negócios. E tudo isso se encaixa nas políticas de incentivos fiscais à inovação tecnológica”, explicou o executivo, lembrando que em 2010 o governo realizou renúncia fiscal de aproximadamente R$ 140 bilhões, mas apenas R$ 1,7 bilhão foi referente a investimentos em P&D. “E o governo tem dinheiro. As empresas precisam buscar”, garantiu.

Da parte do governo, Bruno Jorge Soares, da ABDI, disse que o novo regime automotivo chega para estimular os investimentos em inovação, com vistas ao incremento do mercado interno, em produção e vendas, e à competitividade. Segundo ele, as regulamentações promovidas nos últimos anos, que exigem veículos mais seguros e menos poluentes, por exemplo, alinhados à demanda mundial, também contribuem para a inovação tecnológica.

Assista à entrevista com Bruno Jorge Soares





Assista à entrevista com Luc de Ferran





Assista à entrevista com Valter Pieracciani



Tags: Inovação, planejamento, Luc de Ferran, Bruno Jorge Soares, Valter Pieracciani, indústria, workshop.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência