Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 21/08/2012 | 19h10

Petrobras: não há negociação para reajustar combustíveis

Presidente da estatal diz que buscará paridade com preços internacionais

REDAÇÃO AB

A presidente da Petrobras, Graça Foster, afirmou nesta terça-feira, 21, que a estatal não realiza nenhuma negociação com o governo para um novo reajuste dos preços dos combustíveis. As informações são da agência de notícia Reuters .

“Não, não há nenhuma negociação nesse sentido”, disse após um evento no Rio de Janeiro. Ela disse ainda que não comentaria declarações anteriores de ministros sobre uma alta nos combustíveis e acrescentou que a Petrobras buscará uma paridade com os preços internacionais para os valores dos combustíveis vendidos no Brasil.

No início do mês, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que também é o presidente do Conselho de Administração da Petrobras, disse não há perspectiva de reajuste horas depois de o ministro Edison Lobão, de Minas e Energia falar que existia a possibilidade de alta dos valores este ano.

Desde que os ministros se pronunciaram, a presidente da Petrobras não havia comentado publicamente o tema. Embora não haja um prazo definido para novos reajustes, a estatal pretende amenizar os efeitos da defasagem das cotações locais dos combustíveis nos resultados da companhia. A Petrobras tem importado grandes volumes para atender ao mercado interno, o que tem pesado no balanço da empresa, informa a Reuters.

O aumento que foi dado no preço da gasolina em junho, de 7,8%, não chegou ao consumidor em função da redução da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico), mas ele não compensa a defasagem que a Petrobras tem em relação aos preços internacionais.

Um novo aumento na gasolina agora acabaria tendo efeito no preço nas bombas e, por consequência, na inflação, considerando que a Cide foi zerada.

A defasagem dos preços dos combustíveis foi apontada como um dos motivos, mas não o principal, para o prejuízo registrado pela estatal no segundo trimestre, o primeiro em mais de 13 anos.

Neste ano já foram realizados dois reajustes do diesel, de 4% e 6% nos meses de junho e julho, além da correção nos valores da gasolina. No entanto, esses reajustes não foram repassados ao consumidor, à exceção de parte da segunda alta do diesel.



Tags: Combustíveis, gasolina, Petrobras, aumento, Cide.

Comentários

  • Gian

    Coitados deles !!!! Deixaram de ganhar X Bilhões por perderem X/200 Bilhões !!!! ... que prejuízo né !!!! ...

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência