Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Máquinas | 29/08/2012 | 18h43

Abimaq prevê déficit recorde de US$ 20 bi em 2012

Até julho, saldo negativo em máquinas e equipamentos passava dos US$ 10 bilhões

AGÊNCIA ESTADO

O setor de máquinas e equipamentos deve fechar 2012 com déficit comercial de US$ 20 bilhões, segundo informou nesta tarde a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). No acumulado do ano até julho, o saldo negativo para o setor foi de US$ 10,54 bilhões, alta de 2,5% na comparação com o mesmo período de 2011.

De acordo com o vice-presidente da Abimaq, Carlos Pastoriza, caso a projeção se confirme, será o maior déficit já registrado pelo setor. Em 2011, a indústria de máquinas e equipamentos teve saldo comercial negativo de US$ 17,8 bilhões. “Poderá ser um pouco menor se o Brasil não se recuperar e, por conta disso, houver um consumo de máquinas menor no último semestre do que o esperado”, afirmou, em coletiva de imprensa.

Ele explicou que, caso a economia não se recupere a ponto de estimular a demanda de máquinas e equipamentos, as importações devem diminuir, o que implicaria um menor déficit. "A velocidade de crescimento do déficit da balança está diminuindo, mas não por uma vitalidade nossa. É porque o consumo de máquinas no Brasil está dando uma freada forte há três meses”, disse Pastoriza, em entrevista coletiva, reiterando que os importados estão tomando conta do mercado interno.

A expectativa da Abimaq é de que a economia retome fôlego a partir do quarto trimestre deste ano, como resultado das medidas do governo federal. "As medidas anunciadas anteriormente, que incluíam financiamentos com juros em condições interessantes pelo Finame e desoneração da folha de salários, terão efeito positivo mais em curto prazo, mas são medidas que começaram a valer este mês”, disse o vice-presidente da Abimaq, que completou: "Poderemos sentir um efeito positivo a partir do quarto trimestre.”

O presidente da entidade, Luiz Aubert Neto, esteve nesta quarta-feira, 29, em Brasília, onde se reuniu com o ministro da Fazenda, Guido Mantega. De acordo com Pastoriza, a Abimaq leva ao governo os números mais recentes, que mostram que o setor já fechou quase 10 mil postos de trabalho desde outubro de 2011.

Em julho, 254.361 pessoas estavam empregadas na indústria de máquinas e equipamentos, queda de 3,2% na comparação com o mesmo mês de 2011. "O que estamos levando para o ministro são os últimos números, mostrando esse processo recessivo de vários de nossos segmentos e mostrando que estamos há nove meses seguidos demitindo", afirmou.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) do setor fechou o mês de julho em 76%, ante 76,6% em junho. Segundo Pastoriza, o governo precisa atentar para o fato de que quase um quarto da indústria de máquinas e equipamentos está ociosa. “As medidas que o Brasil precisa são de longo prazo. Como não há condições de esperar o longo prazo, então vocês (governo) vão ter de tomar medidas de curtíssimo prazo", disse o vice-presidente da Abimaq.

A solução apontada pela entidade para alterar a situação é mexer no câmbio, juros, impostos, Custo Brasil e investir na defesa comercial. "Não acreditamos em protecionismo, mas estamos vivendo um momento de emergência", afirmou.



Tags: Abimaq, déficit, saldo negativo, Carlos Pastoriza, Luiz Aubert Neto, Nuci.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência