Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Insumos | 03/09/2012 | 18h00

Setor automotivo puxou queda na indústria de transformação plástica

Após retração de 3,7%, fabricantes esperam aceleração até o fim do ano

AGÊNCIA ESTADO

A produção da indústria de transformação plástica sofreu queda de 3,7% no primeiro semestre, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast). O indicador foi pressionado pela queda de quase 10% na produção de veículos no período. Na outra ponta, o avanço da demanda por plásticos pela indústria alimentícia ficou aquém do previsto. "Esperávamos um crescimento muito mais robusto", afirmou. Os números do primeiro semestre mostram que a maior dificuldade da cadeia tem sido a entrada de produtos importados acabados.

Apesar disso, a demanda doméstica por resinas termoplásticas apresentou sinais de aceleração nos últimos 60 dias, segundo informou o vice-presidente da unidade de Poliolefinas da Braskem, Luciano Guidolin. Para ele, contudo, ainda é cedo para afirmar se o movimento já reflete uma retomada da economia brasileira. "Uma parte da alta vem da sazonalidade do setor, mas ainda não sabemos se o efeito é causado apenas por isso. Pode ser reflexo também das medidas do governo", disse o executivo à Agência Estado, sugerindo que parte dessa alta possa ser impulsionada por medidas de incentivo à economia adotadas pelo governo federal.

Para Guidolin, uma análise mais clara sobre o mercado doméstico só poderá ser feita a partir do início do quarto trimestre. Como a cadeia está com níveis baixos de estoques, uma aceleração mais consistente da demanda pode obrigar as empresas a intensificar o ritmo de compras e, dessa forma, ampliar o período de compras para os últimos meses de 2012.

PROJEÇÃO PARA 2012

A aceleração da demanda doméstica por resinas no terceiro trimestre leva a Braskem a acreditar que o mercado brasileiro cresça entre 2% e 3% em 2012, com viés de alta mais próxima a 3%. Esse número, explica Guidolin, abrange apenas os mercados de polietileno (PE) e polipropileno (PP). "Se considerarmos também o PVC, esse número seria um pouco maior", destacou. De igual maneira, o nível de vendas da Braskem também deve crescer acima de 3% neste ano, uma vez que a companhia tem conseguido reverter o movimento de perda de mercado para os produtos importados visto em anos passados.



Tags: indústria, plástico, resina, transformação.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência