Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Importados | 24/10/2012 | 16h32

Abeiva: cotas do Inovar-Auto são tímidas

Contudo, medida deve trazer recuperação das vendas em 2013, avalia Flávio Padovan

SUELI REIS, AB

A Abeiva comemorou em parte as normas do novo regime automotivo, principalmente no que diz respeito às cotas, que regulamenta aos importadores de veículos sem fábrica no Brasil o volume máximo de 4,8 mil unidades por ano sem incidência da sobretaxação de 30 pontos porcentuais no IPI. Durante o Salão do Automóvel de São Paulo, o presidente da entidade, Flávio Padovan, manifestou as primeiras impressões do setor sobre o decreto.

“Consideramos que a cota de 4,8 mil unidades é muito tímida, pequena, diante da necessidade dos importadores: ela atende bem as empresas de baixos volumes, mas não suporta aquelas de importações maiores”, afirmou.

Algumas empresas associadas à Abeiva também aproveitaram o Salão do Automóvel para falar de suas primeiras impressões sobre o regime, como a Kia, que antes do aumento do IPI, chegou a importar uma média de 50 mil unidades em um ano (leia aqui).

Padovan explica que, a partir de agora, as 29 associadas entram no processo de análise detalhada do decreto e suas implicações para a operação de cada uma, avaliação esta que implica na listagem das alternativas de sobrevivência no mercado e revisão dos planos estratégicos.

“Nem todas as importadoras terão condições de decidir por montar uma fábrica no Brasil, até porque o volume de vendas não justifica um investimento como este, mas esta será uma decisão de cada marca.”

Após a publicação do Inovar-Auto, no início deste mês, algumas associadas da Abeiva confirmaram investimentos e construção de fábricas no Brasil, como a JAC e a BMW. Apesar da queixa, as cotas devem garantir às importadoras uma recuperação de mercado em 2013, quando a entidade projeta vendas de 150 mil unidades contra as 120 mil esperadas para este ano. Se confirmado, as vendas de 2012 representarão queda de 40% sobre 2011, quando foram emplacados 199 mil carros importados.

JAGUAR E LAND ROVER

Padovan, também presidente da Jaguar e Land Rover no Brasil, informa que a empresa não deixou morrer a ideia de ter uma fábrica no País. Ele diz que aproveita a vinda do CEO, Ralph Speth, ao Salão do Automóvel, para tratar do assunto. O executivo projeta que a definição da estratégia das duas marcas seja concluída nos próximos dois meses.

Assista abaixo a entrevista exclusiva a ABTV de Flavio Padovan, presidente da Abeiva e da Jaguar Land Rover:



Tags: Abeiva, importados, cotas, Inovar-Auto, Flávio Padovan.

Comentários

  • jose roberto

    Acredito ser muito importante, que o Brasil implemente praticas que estimulem mais industrias e motive a nossa economia a crescer, nao podemos esquecer que e necessario tambem praticas que estimulem a fabricacao de pecas para as montadoras Nosso pais e um verdadeiro motor natural do crescimento mudial e varios segmantos, e precisamos descobrir isso e avancar para alcancar a lideranca mudial que tanto desejamos Parabens ao Sr Padovan , um Brasileiro que se destaca no senario empresarial mundial e traz grandes possibilidades ao Brasil

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência