Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Transportes | 31/10/2012 | 12h33

Logística consome mais de 13% da receita bruta

Estudo aponta transporte de longa distância e armazenagem como grandes vilões

AGÊNCIA ESTADO

As empresas brasileiras comprometem em média 13,14% de sua receita bruta com custos logísticos. É o que aponta o estudo “Custos Logísticos no Brasil”, divulgado nesta quarta-feira, 31, pelo Núcleo CCR de Infraestrutura e Logística da Fundação Dom Cabral (FDC). A pesquisa, realizada com 126 empresas que juntas representam 20% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, revela que o maior peso dos custos logísticos ocorre no setor de bens de capital (22,69% da receita), seguido por construção (20,88%) e mineração (14,63%).

O transporte de longa distância, como o feito por meio de ferrovias e rodovias, é responsável pela maior parte das despesas com transporte no Brasil, aproximadamente 38% do total, seguido pelas despesas com armazenagem (18%), distribuição urbana (16%) e custos portuários e aeroportuários (13%).

Segundo o coordenador do Núcleo CCR de Infraestrutura e Logística da FDC, professor Paulo Resende, responsável pela pesquisa, apesar de esse estudo ter sido feito pela primeira vez, ou seja, não permite comparações com anos anteriores, é possível afirmar que os custos com logística são crescentes na participação das despesas das empresas.

“Verificamos que, há dez anos, as viagens de caminhão eram, em média, de 50 quilômetros e hoje estão em 120 quilômetros”, afirmou. “Isso ocorre porque o mercado de consumo está se interiorizando e tem acompanhado muito o avanço das fronteiras agrícolas e o desenvolvimento do consumo nas Regiões Nordeste e Centro-Oeste.” O problema, de acordo com Resende, é que a ampliação da distância a ser percorrida ocorre em estradas em péssimas condições.

Na opinião das empresas consultadas, além das más condições das estradas, entre as principais causas dos custos logísticos elevados estão também a burocracia governamental, a restrição de carga e descarga nos grandes centros urbanos e a falta de concorrência entre diferentes modais. A principal solução sugerida é a “melhor gestão das ferrovias com integração multimodal”.

Com relação à burocracia governamental, Resende destacou que, ao contrário do que ocorre nos Estados Unidos e na Europa, no Brasil os empresários não reconhecem nenhuma adição de valor nesse processo. “Em outros países, a burocracia é vista como um procedimento que garante a origem e a qualidade do produto, mas no Brasil a percepção é de inutilidade, de apenas adição de custo”, diz.

Segundo ele, a pesquisa divulgada nesta quarta-feira será feita anualmente. “A ideia é verificar se os projetos de infraestrutura anunciados recentemente vão de fato ajudar a reduzir os custos logísticos que temos hoje.”



Tags: Logística, Fundação Dom Cabral, CCR, Paulo Resende, Nordeste, Centro-Oeste.

Comentários

  • Agnaldo Casagrande

    Muito útil o dado gerado nesta pesquisa. Segundo dados anteriores, publicados no "Perspectivas Logísticas 2010" do IEG. os custos com Logística giram em torno de 8% do faturamento das mepresas. Veja abaixo: Em média, os custos logísticos representam 8% do faturamento bruto das empresas e apresentam-se distribuídos da seguinte forma: Transporte (50%), Estoques (22%), Armazenagem (14%), Administrativo (10%) e Outros (3%).

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência