Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Senado terá audiência sobre altos preços dos carros no País

Legislação | 22/11/2012 | 11h11

Senado terá audiência sobre altos preços dos carros no País

Justificativa é abismo entre Brasil e exterior

PAULO RICARDO BRAGA, AB

O Senado Federal pode acordar para o fato de os veículos comercializados no País terem preços na estratosfera e esclarecer as causas. O senador Delcídio do Amaral, presidente da Comissão de Assuntos Econômicos, comunicou em 20 de novembro a aprovação de audiência pública para “discutir e esclarecer as razões para os altos preços dos veículos automotores no País e discutir medidas para a solução desse problema”.

A data da audiência ainda não foi determinada, mas foram convidados representantes da Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda; do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; da 3ª. Câmara (Consumidor e Ordem Econômica) do Ministério Público Federal; da Anfavea, Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores; do Sindipeças, Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores; e o jornalista Joel Leite, do Boletim Autoinforme.

“Julgamos fundamental buscar com serenidade a melhor informação, para que do debate e da reflexão surjam soluções que possam aproximar os preços aqui praticados dos internacionais, por meio do incremento da competitividade, e sem que as políticas aqui adotadas sejam contestadas em fóruns internacionais, o que pode sujeitar o País a indesejáveis retaliações e prejuízos”, afirma a senadora Ana Amélia, autora do requerimento para a audiência.

JUSTIFICATIVA

A senadora justifica a solicitação da sessão com base em diversos artigos e reportagens publicados pela imprensa, que têm mostrado um abismo entre o preço dos carros no Brasil e no exterior. No País, alega, não é raro que os valores praticados superem em 100%, ou mais, os vigentes nos Estados Unidos, Europa e demais países da América Latina. Essa situação, objeto de reportagens inclusive no exterior, valeu ao automóvel brasileiro a reputação de carro mais caro do mundo.

Diz o documento que outro fato que causa estranheza, apontado em várias matérias jornalísticas, é que mesmo os veículos fabricados no Brasil são vendidos no exterior (México, Chile e Argentina são citados) a preços muito inferiores aos praticados no mercado interno.

Segundo Ana Amélia, cálculos feitos por especialistas mostram que a diferença de carga tributária é um elemento importante, mas não explica toda a discrepância. Outro fator seria a valorização do real, mas há a ressalva de que houve uma atenuação desde meados de 2011, quando o dólar americano estava cotado a R$ 1,55 (hoje está na casa de R$ 2,03).

Um terceiro motivo para debate na audiência pública seria a falta de concorrência entre as empresas do setor, abrangendo toda a cadeia de produção e comercialização. O quarto seria a própria política industrial adotada pelo governo federal.

INOVAR-AUTO

A senadora enfatiza que o governo federal tem introduzido diversas modificações no regime automotivo, provocando grande instabilidade e complexidade de regras no setor. Desde a publicação da MPS 540/11, que prometeu redução no IPI incidente sobre os automóveis, foram editadas diversas normas sobre a matéria, inclusive o recente Decreto 7.819/12, que regulamentou o complexo regime tributário Inovar-Auto.

Diz a senadora, ainda, que em vez da prometida redução de carga tributária criou-se um sistema de diferenciação do IPI conforme o “conteúdo nacional” do veículo que, segundo a imprensa, será questionado por nossos parceiros comerciais junto à Organização Mundial do Comércio. Os objetivos declarados das medidas são a preservação do emprego e da renda do setor automobilístico, a atração de investimentos, a melhora do saldo comercial do setor, o estímulo à pesquisa e a introdução de aperfeiçoamentos técnicos, especialmente no que toca à eficiência energética.

De acordo com o pedido para aprovação da audiência pública, em que pese a relevância dos objetivos perseguidos, prevalece um sentimento de indignação entre os consumidores, que têm se sentido prejudicados e não acreditam que as medidas adotadas pelo governo sejam capazes de aumentar a competitividade do produto nacional, tornando o carro brasileiro mais barato.

“Considerando essa situação que, por sua complexidade, envolve diversos interesses, cabe ao Congresso Nacional promover o debate e a troca de ideias, sempre em busca de soluções que atendam, com justiça, a todos os envolvidos, em prol do bem comum”, diz o documento assinado pela senadora.

SOBRE O REGIME

Automotive Business tem acompanhado de perto a evolução do regime automotivo, que depende ainda de uma série de portarias em complementação ao Decreto 7.819/12. O emaranhado da regulamentação tem origem no pecado original de se elevar em 30 pontos o IPI dos veículos para só depois conceder "descontos" a partir do cumprimento de uma série de obrigações. Entre estas estão o maior conteúdo de peças nacionais, a realização de operações de manufatura, investimentos em pesquisa, desenvolvimento e tecnologia e aumento da eficiência energética dos veículos.

Apesar da complexidade da legislação, boa parte dos importadores presentes no Brasil tomou a decisão de construir fábrica local, afastando de vez a ideia de que ainda vivemos sob um oligopólio no setor.

Um dos pontos ainda pendentes de regulamentação e esclarecimento é o cálculo do conteúdo local de autopeças. Para que os nossos carros tenham componentes brasileiros, será preciso clareza no cálculo e na fiscalização da origem das peças. De nada adiantará qualquer esforço de legislar se não houver registro claro da procedência de peças e sistemas. Hoje esse controle é deficiente e não existe fiscalização no âmbito do Mercosul, permitindo a entrada de verdadeiras muambas.

Quanto ao preço dos carros, vale dizer que uma forte concorrência no mercado interno permitirá que ocorram reduções, forçando para baixo o lucro das montadoras, mas os valores permanecerão na estratosfera enquanto o governo insistir em tributar fortemente componentes e veículos e quase nada fazer para eliminar as causas do chamado custo Brasil que oneram a cadeia de produção.

A introdução de melhorias tecnológicas nos veículos agrada os consumidores, mas tende a elevar, pelo menos no primeiro momento, o custo de produção – e muito acima do que podem compensar os descontos tributários propostos.



Tags: Inovar-Auto, Senado Federal, MDIC, Anfavea, Sindipeças, Boletim Autoinforme.

Comentários

  • Gabriel

    Espero que isto não acabe em pizza!!

  • Marcus Dourado

    a audiência é totalmente inútil sobre todos os aspectos. O governo federal, bem como os estaduais não têm a menor intenção de reduzir impostos. Sabemos disto há décadas. As montadoras sabem disso e se acomodam à situação. Por sua vez, o consumidor é pouco atendo ao valor real do carro que compra. no Brasil ainda vale a regra de quanto mais caro, melhor é o carro. A razão para essa situação é simples: toda a indústria automobilística, incluindo auto peças, é multinacional. Não há e nunca houve interesses relevantes brasileiros nessa indústria. Por ser estrangeira e ciosa de sua condição no país, as montadoras pouco reclamam do governo, porque se a competitividade local é perdida, ela o é para as matrizes dessas mesmas montadoras. Desse modo para as montadoras e grandes fabricantes de auto peças, pouco importa se você vende um Corolla no Brasil por US$ 40 mil, sempre há quem compre. Se não comprar, vai importar um modelo de US$ 40 mil, pgando US$ 70 mil.

  • LUIS ALBERTO

    Muito boa esta iniciativa. O lucro das montadoras no Brasil é exorbitante, e a maioria delas colocart a culpa apenas no governo. É claro que os impostos no Brasil são altissimos, mas o governo sozinho não é culpado pelos altos preços cobrado pelas montadoras. Nós consumidores tambem somos culpados, porque compramos . Então façamos nossa parte, como fazem os consumidores, BOICOTANDO E NÃO COMPRANDO. SIMPLES ASSIM.

  • Ronaldo Gomes Ribas

    Caro Paulo Braga, Creio que deveriam descomplicar o "Inovar-Auto" e retirar o acréscimo de 30% no IPI. A partir daí será necessário desonerar toda a cadeia produtiva com inúmeros impostos, sem falar na péssima infraestrutura para atender a logística de transporte de peças. Quanto a inovação tecnológica e eficiência energética dos motores, será necessário rever o desenvolvimento da tecnologia "Flex" e da qualidade dos combustíveis.

  • Edgar Litus

    Que nos deem liberdade fiscal para comprar de fora! Atualmente os veículos são onerados em 150% quando são importados de outro páis; Mas o licenciamento tbm é dificultoso... As fábricas colocaram seus argumentos, porém se o governo deixar que compremos veículos importados sem as taxas protecionistas, rapidinho o preço melhora por aqui! Mas tem os empregados que podem ficar sem emprego; Isso é um argumento idiota, na verdade as empresas usam essa história como escudo contra o aumento salárial, mas basta o bicho pegar que mesmo assim vão continuar produzindo aqui, vendendo aqui e contrtando gente pra montar seus carros...

  • Atalaion

    Gente, sinistro que ainda essa situação perdure... temos que ter preços honestos ou essas montadoras são bandidas inescrupulozas. Eu ainda confio que elas são formadas por pessoas éticas e de boa indole e que vão baixar os preços dos carros fabricados aqui.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência