Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 27/11/2012 | 10h28

Abifa projeta recuperação das vendas de fundidos

Este ano caminhões derrubaram as estimativas de demanda

PAULO RICARDO BRAGA, AB

A Associação Brasileira da Indústria de Fundição (Abifa) reúne esta semana quinze empresas estrangeiras e quarenta brasileiras para a terceira rodada de negócios dentro do Projeto Foundry Brazil, que tem o apoio da Apex, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos. “A iniciativa contribui para dinamizar os negócios do setor, em ano de resultados que deixam bastante a desejar”, explica Devanir Brichesi, presidente da entidade, que abriu o encontro na segunda-feira, 26, na sede da Abifa, na Avenida Paulista, em São Paulo.

O setor, que emprega 60 mil trabalhadores, deve registrar este ano a produção de 3,0 milhões de toneladas processadas, 300 mil menos do que em 2011. “Em janeiro projetamos crescimento de 8%, mas acabamos ficando 13,7% abaixo das previsões”, observa o dirigente. Um dos vilões entre os clientes que decepcionaram o setor está a indústria de caminhões, duramente afetada pela implantação do Proconve P7.

“O recuo do segmento de veículos comerciais, que deve comercializar 77 mil unidades a menos do que em 2011, derrubou em nada menos de 100 mil toneladas a projeção de encomendas este ano”, afirmou Brichesi, lembrando que a indústria automobilística, como um todo, absorve 57% da produção de fundidos (um caminhão médio possui 900 kg de fundidos).

De janeiro a setembro, as importações do setor de fundidos somaram 342,3 mil t, valor 6,8% abaixo do registrado em igual período do ano passado (367,4 mil t). As exportações mostraram uma redução de 7,5%, para 1,05 mil t.

RETOMADA EM 2013

Há, no entanto, otimismo em relação à recuperação das vendas em 2013. “O governo vem tomando medidas que devem desintoxicar a economia, como propõe o ministro Guido Mantega, da Fazenda. Além disso, ele sinaliza que o dólar valerá pelo menos dois reais, enquanto os juros devem cair e a energia elétrica custará 20% menos”. Tudo somado, o setor de fundição espera vender 3,5 mil toneladas em 2013, igualando o recorde de 2008, quando 22,5% da produção eram exportados.

“O dólar a dois reais melhora as perspectivas de exportações, embora o segmento de fundição precise de 2,4 para se tornar competitivo diante da China e outros países asiáticos. As vendas externas estiveram reprimidas e será necessário algum tempo para uma retomada de contratos”, pondera Brichesi. Ele projeta uma capacidade de produção de 7,7 milhões de t/ano até 2017, pelo efeito combinado das encomendas crescentes da exploração de petróleo, do avanço do setor automotivo e de ganhos na área de logística com a realização da Copa do Mundo e Olimpíadas.

Com 400 associados entre as 1.350 empresas de fundição existentes no País, a Abifa representa 90% da produção nacional de fundidos, o equivalente a um faturamento de US$ 12 bilhões, ou 0,6 do PIB. “Estamos presentes na maioria das cadeias produtivas”, diz o dirigente.

Brichesi entende que o Brasil tem todas as condições para avançar na indústria mundial de fundição. “Podemos crescer 2,5 PIBs por ano. Temos todas as matérias-primas necessárias. Há disponibilidade de energia elétrica de fonte limpa, com potencial para triplicar a oferta. E somos um dos poucos países onde existem escolas de engenharia para ensinar a prática da fundição. Não dependemos de ajuda externa nesse campo, a não ser de algumas máquinas.”

“Só não avançamos mais porque a macroeconomia e as políticas industriais não contribuíram para isso nos últimos cinco anos. Agora vamos crescer, mas é preciso atenção ao custo Brasil, que precisa ser enfrentado”, registra. Ele alerta para o valor excessivo da mão de obra local, que corresponde a 35% do custo da produção, e abre brechas para as encomendas da China, mais competitivas. “Será necessário, também, acelerar a obrigatoriedade de certificação para muitos produtos e estabelecer barreiras técnicas e de qualidade para as importações”, assinala.



Tags: Abifa, Apex, ministério da Fazenda, fundições.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência