Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 14/12/2012 | 17h57

Argentina tem novo acordo automotivo com México

Governo argentino impõe cota de importação de US$ 600 milhões para veículos mexicanos

REDAÇÃO AB

A ministra da Indústria na Argentina, Débora Giorgi, anunciou na sexta-feira, 14, a retomada do comércio de veículos com o México a partir de um novo acordo automotivo. O anterior estava suspenso desde junho. Os países concordaram com uma cota limite de US$ 600 milhões em veículos provenientes do México com destino à Argentina, por um período de três anos, sem a incidência da tarifa de 35%, fixada pelo governo argentino este ano.

“Vamos reduzir a quantidade importada de carros do México em 33% no primeiro ano e continuar o mandato da presidente para preservar o equilíbrio externo. Este acordo abre as portas para diversificar nossas exportações e acesso ao mercado mexicano”, declarou a ministra em comunicado divulgado pelo Ministério da Indústria da Argentina.

Segundo a nota, o acordo também prevê um maior conteúdo regional de veículos vindos do México, mas especifica apenas que o conteúdo atual, de 30%, passará para 40% em 2016.

Durante o anúncio, Giorgi também disse que na segunda-feira, 17, vai retirar os questionamentos que a Argentina havia levantado anteriormente sobre o acordo bilateral com o México no Órgão de Solução de Controvérsias da Organização Mundial do Comércio (OMC).

DESEQUILÍBRIO

A ministra lembrou que a Argentina havia suspendido o acordo com o México porque o país tinha a vantagem de vender um número ilimitado de veículos e que não eram tarifados devido ao Acordo de Complementação Econômica, que permitia o livre comércio bilateral. Este acordo, em vigor desde 2003, foi suspenso em junho deste ano pelo governo argentino, por um período de três anos. Além disso, a Argentina fixou uma tarifa de 35% sobre os veículos mexicanos.

A suspensão do acordo veio após a divulgação da balança comercial de veículos com o México, que em 2011, teve um desequilíbrio de quase US$ 1 bilhão.

O mesmo fator – de desequilíbrio na balança – levou o Brasil a revisar o acordo com o México em fevereiro deste ano, resultando em cotas de importação, mesma medida agora adotada pela Argentina. No ano passado, as exportações de veículos do México para o Brasil saltaram 70%, em meio à forte demanda do mercado brasileiro (leia aqui).



Tags: Acordo automotivo, Argentina, México, Débora Giorgi, cotas.

Comentários

  • wagne damha

    Possuo um. carro argentino e estou satisfeito com o seu desempenho. O ano dele e de 99 porém continua andando normalmente como se tivesse saído de uma agência.Os produtos da volks são indiscutíveis.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência