Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 19/12/2012 | 19h20

Governo prorroga desconto de IPI com volta gradual e zera tributo sobre caminhões

Imposto será retomado em duas etapas em 2013, uma no primeiro trimestre e outra no segundo

REDAÇÃO AB

O governo aceitou os argumentos dos fabricantes de veículos e decidiu prorrogar os descontos de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) dos veículos leves até 30 de junho de 2013, mas de forma escalonada. Já no caso dos caminhões, o IPI foi zerado para sempre.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou a medida no fim da tarde da quarta-feira, 19. Ele explicou que o IPI de automóveis 1.0, que era de 7% no início de 2012 e desde maio foi zerado até 31 de dezembro, passará a ser de 2% no período de janeiro a março, subindo para 3,5% em abril até junho. “Em julho todas as alíquotas voltam ao porcentual normal”, disse o ministro.

Para automóveis com motorização superior a 1 litro até 2 litros, o IPI normal aplicado sobre modelos flex (bicombustível etanol-gasolina) era de 11%, caiu para 5,5% desde maio e sobe para 7% em janeiro, 9% em abril e voltará aos 11% em julho. Para carros com motorização 1.0 a 2.0 a gasolina, o imposto de 13% tinha caído para 6,5%, será elevado para 8% no primeiro trimestre de 2013 e para 10% no segundo.

No caso de veículos utilitários (comerciais leves), a alíquota de IPI de 8% tinha sido reduzida para apenas 1% até 31 de dezembro. Passará a 2% em janeiro e 3% em abril, voltando ao normal em julho.

Para caminhões, foi atendido um outro pleito dos fabricantes, que defendiam que a isenção total do IPI fosse prorrogada por tempo indeterminado. Foi o que aconteceu. “Como é um bem de capital, avaliamos que era melhor zerar o IPI para sempre, como forma de estimular o investimento”, explicou Mantega. O imposto industrial sobre os veículos comerciais pesados era de 5% e está zerado desde o fim de 2008. A medida valia até 31 de dezembro e agora foi estendida sem prazo.

“Com redução do imposto houve boa recuperação do mercado no segundo semestre, o que permitiu ao setor aumentar o número de empregos e continuar a fazer investimentos”, justificou Mantega. Ele também mostrou uma tabela já apresentada pela Anfavea, a associação dos fabricantes, que comprova o aumento da arrecadação de impostos com a elevação das vendas de veículos. Houve redução no recolhimento do IPI, mas cresceu a entrada de receitas de outros impostos como ICMS e PIS/Cofins.



Tags: IPI, imposto, carros, caminhões, incentivo, Guido Mantega.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência