Automotive Business
  

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 19/02/2013 | 16h28

Jonny montará motos chinesas em Camaçari no 2º semestre

Principal produto serão os ''sem-placa'', ciclomotores que rodam sem ser lacrados

MÁRIO CURCIO, AB

No segundo semestre de 2013, a Jonny Motorcycles promete mudar sua condição de importadora para fabricante. Vai produzir em Camaçari (BA), onde ocupará um terreno de 150 mil metros quadrados. A capacidade inicial será de 85 mil unidades por ano, número bem maior do que as 583 Jonny emplacadas em todo o ano de 2012.

“Vendemos 70 mil unidades à nossa rede de concessionárias no ano passado”, garante o executivo de comunicação e marketing, Artemis Oliveira. Essa diferença entre emplacamentos e vendas no atacado tem um motivo: os principais produtos da Jonny são ciclomotores, modelos com até 50 centímetros cúbicos e muito acessíveis, a partir de R$ 3,5 mil. No Nordeste, seja por uma brecha no Código de Trânsito Brasileiro, seja por falta de fiscalização, a maioria dos ciclomotores é de sem-placa, ou seja, não é lacrada, da mesma forma como seus condutores pilotam sem capacete. E 45 das 60 revendas Jonny estão no Nordeste.

A empresa tem hoje oito produtos e três deles usam motores de 50 cc. O início da montagem local será com dois destes modelos, o Hype 50 e o New Hype 50. A fábrica será custeada pelos atuais importadores, Bruno Burani e Eduardo Oliveira. A empresa, contudo, não informa dados importantes, como o tamanho do investimento e área a ser construída.

As motos são feitas por mais de um fornecedor chinês. Virão parcialmente desmontadas. O motor será trazido inteiro. O índice de nacionalização inicial não foi informado. “Vamos injetar plásticos”, promete Oliveira. “Haverá 98 empregos diretos num primeiro momento.” O atual centro de distribuição de peças, que fica em Simões Filho (BA), será transferido para as instalações de Camaçari.

PROBLEMAS FORA DE MANAUS

Desde o segundo semestre de 2012, parte das motos importadas teve elevada sua alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). No caso dos ciclomotores, essa alíquota foi elevada de 15% para 35%. As empresas de Manaus vibraram com a decisão. Segundo a Abraciclo, que reúne fabricantes do setor, esses modelos responderam por 75% das importações de motos em 2011.

Nacionalizar esses produtos fora da Amazônia não isentará a Jonny dessa tributação, embora o executivo da Jonny acredite na mudança desse panorama: “Não faz sentido fazer algo no Brasil que beneficie de forma tão aviltante um único lugar.”

Também de olho no mercado dos ciclomotores e motos de baixa cilindrada, a Shineray erguerá uma fábrica em Suape (PE). A chinesa Jialing, que se estabeleceu como Traxx em 2002 em Fortaleza, também ganhou o mercado nordestino com um produto de 50 cc. Esta, no entanto, optou por erguer sua fábrica em Manaus, inaugurada em 2007.

Para aproveitar esse filão dos sem-placa, Dafra e Kasinski também produzem versões de 50 cc de produtos que estrearam com motores de 100 cc.



Tags: Jonny Motorcycles, motos, motocicletas, Abraciclo, Camaçari, Artemis Oliveira, Hype 50, New Hype 50, ciclomotores, Código de Trânsito Brasileiro.

Comentários

  • artemis oliveira

    As informações indicadas na presente matéria que dizem respeito a Jonny Motos e por mim prestadas, são exclusivamente aquelas relacionadas à Fábrica Jonny Motos em Camaçari, sua capacidade de produção entre outras informações as quais são expressas condignamente "entre aspas" pelo Jornalista Mario Curcio. As demais informações são resultantes de suas pesquisas e não refletem a opinião da Jonny Motos. Artemis Oliveira Marketing e Comunicação

  • Sidnei

    Boa tarde. Acho uma boa ter este tipo de condução, devido aos altos impostos que as motocicletas pagam, mas por outro lado o indice de acidentes será maior, um por qualquer um poder dirigir, pessoas abusarem e quererem pegar pistas de alta velocidade, não respeitarem leis de transito, e por ai em diante. Se for cumprida todas as leis e não forem licenciadas será um bom negócio para as pessoas.

  • eliac

    aqui em recife não consigo peça a jonny ta devendo assistencia

  • Paulo

    Uma porcaria fazem a mmoto mais esquecem que temos que fazer a manutenção, cade as peças não tem, fecha logo mais essa fabriqueta que so da dor de cabeço nos seus clientes ou idiotas que compou como eu, preciso do platô de embreagem da Jonny, ja mandei divesos e-mails não obtive repostas, se não tem como manter peças de reposição não produza, como o colega ai em cima esta falando em nenum luga consegue peças. Quebrou? jogue fora não tem como consertar.

  • Judite

    Boa tarde tenho uma Johnny já a 5 anos e quero fazer o cadastro no Detran para em placar. a loja que comprei já entrou contato com a fabricar pra fazer o cadastro no Detran e ate agora a fabrica não deu nenhuma resposta. eles teria que ter uma equipe disponibilizada a fazer este serviços neste período, pois o detran nao vai querer saber disto e quem perdem somos nos consumidores.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência