Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 26/02/2013 | 20h57

Inovar-Auto é só o começo

Novo regime automotivo ditará o rumo e o futuro da indústria nacional, aponta Paulo Bedran do MDIC

SUELI REIS, AB

“O Inovar-Auto é só o início da estrada”, assim definiu o rumo da indústria no regime automotivo brasileiro o diretor do departamento de indústrias de equipamentos de transporte do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC), Paulo Bedran, que participou do Debate Automóvel e Consumo – Mobilidade, Emissões e Eficiência Energética, promovido pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) na terça-feira, 26.

O representante do governo avaliou a criação do Inovar-Auto, o que segundo ele foi concebido pensando no consumidor. “O Inovar-Auto não foi criado por uma questão de clima, porque temos o etanol e também não é uma questão que vai parar em 2017. Pensamos primeiro no consumidor com o objetivo de reduzir o consumo do veículo”, defende.

Segundo o executivo, o novo regime automotivo é o primeiro passo para a transformação da indústria nacional no âmbito da competitividade e não cessará os esforços em 2017, quando está previsto o fim vigência do Inovar-Auto. Bedran revela que já existem movimentos no sentido de criar um novo programa de eficiência energética, que contemplará inclusive veículos com motorização a diesel, os comerciais leves (picapes e utilitários) e os pesados (caminhões e ônibus). Como o atual regime, o novo programa será elaborado pelo MDIC por meio do Conselho Automotivo em parceria com outros órgãos e entidades do governo, como o Ibama.

“O plano é criar um programa no longo prazo e atrelar as novas exigências de eficiência energética à homologação do veículo”, revela.

O presidente da Comissão de Assuntos de Energia e Meio Ambiente da Anfavea, Henry Joseph Jr., que participou do mesmo painel que Bedran afirmou que os programas são de interesse da indústria porque afetam positivamente o percurso do avanço das tecnologias.

“Em cinco anos veremos mudanças significativas nos veículos que dirigimos hoje e elas serão pautadas não só pelo regime automotivo, mas por outras iniciativas, como já aconteceu com a introdução de airbags, freios ABS e rastreadores. Claro que isso impactará no preço final para o consumidor, mas a indústria precisa ter o retorno dos investimentos.”

Os debatedores também discutiram sobre as formas de como o Inovar-Auto beneficiará a indústria, como a exigência comprovada do aumento do uso de peças de origem nacional, além de pesquisa e inovação que devem ser estimuladas no País. Sobre a maneira como o governo rastreará o conteúdo nacional, Bedran afirma que já está em fase de conclusão um modelo de medição do conteúdo real de peças por meio de notas fiscais das autopeças, que prevê a adoção de desconto sobre o valor da nota, se for comprovado que o produto tem componentes produzidos aqui.

“A modelagem da medição do conteúdo que utilizaremos foi elaborada por uma consultoria internacional e está praticamente pronta. Seus mecanismos permitirão identificar se há componente importado em um motor, por exemplo. Ainda não vamos tão fundo, quanto saber a origem do minério de ferro, mas ajudará a manter o controle de importação”, disse.

Joseph Jr. também citou outras iniciativas que visam o futuro da indústria, como o programa Ciclo de Vida, que está sendo desenhado por empresas, governo e órgãos competentes desde 2010 e que visa a reciclagem de resíduos e/ou autopeças. Segundo o representante da Anfavea, os estudos que estão em curso elencarão peças e partes passíveis de reciclagem e determinará de forma técnica como se dará o descarte de componentes não recicláveis, dando destino adequado a cada tipo de resíduo.

"Deve demorar ainda para acontecer, mas já estamos no caminho para definir e criar soluções adequadas a esta demanda."



Tags: Inovar-Auto, regime automotivo, Paulo Bedran, Idec, eficiência energética, consumo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência