Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Lanxess investirá € 80 milhões na fábrica de Triunfo (RS)
A partir da esquerda: Marcelo Lacerda, presidente da Lanxess no Brasil; Werner Breuers, do conselho de administração e Joachim Grub, diretor da divisão PBR. Fábrica da Lanxess em Triunfo (RS)

Insumos | 04/03/2013 | 17h50

Lanxess investirá € 80 milhões na fábrica de Triunfo (RS)

Unidade produzirá borracha para pneu verde

SUELI REIS, AB

A Lanxess, fabricante do setor químico para borracha de alta performance, volta seus olhos para o Brasil: a empresa anuncia o investimento de € 80 milhões (R$ 208 milhões) em sua fábrica de Triunfo (RS) para converter a produção de borracha de estireno butadieno em emulsão (E-SBR), utilizada na fabricação de pneus convencionais, para borracha de estireno butadieno em solução (S-SBR), utilizada nos chamados pneus verdes de alto desempenho. Com capacidade para 110 mil toneladas métricas por ano, a mesma que a atual para o E-SBR, a unidade inicia a produção da nova borracha sintética no fim de 2014 e terá 500 trabalhadores adicionais durante a fase de transição. A empresa informa que manterá a produção e fornecimento da borracha convencional E-SBR na unidade de Duque de Caxias (RJ) em volume suficiente para atender a demanda do mercado nacional.

Segundo Werner Breuners, membro do conselho administrativo da Lanxess, o crescimento do País como economia global justifica o investimento. “Quando iniciamos nossas atividades aqui, em 2005, o Brasil representava apenas 1% do nosso faturamento global e hoje essa representatividade subiu para 10% e deve se manter neste patamar nos próximos anos. Percebemos que nossas vendas em países emergentes mais que dobraram nos últimos seis anos e nossa estratégia está voltada para estes mercados, como os do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) que hoje respondem por 25% da nossa receita”, disse Breuners durante o anúncio do investimento na segunda-feira, 4, em São Paulo.

Com o início da produção do S-SBR no Brasil até o fim de 2014, a empresa passará a fornecer todos os ingredientes necessários para a confecção do pneu verde no País, incluindo a Nd-PBR (borracha de polibutadieno com catalisador de neodímio). A S-SBR é utilizada principalmente na composição da banda de rodagem dos pneus verdes e a Nd-PBR é usada na banda de rodagem e laterais.

Estudos mostram que de 20% a 30% do consumo de combustível de um veículo e 24% das emissões de CO2 de um veículo nas estradas estão relacionados com os pneus. Segundo a Lanxess, os pneus verdes podem reduzir o consumo de combustível em 5% a 7% e têm um período de amortização mais curto do custo em comparação com outras tecnologias de economia de combustível, como sistemas automáticos de partida e parada e unidades híbridas.

“Qualquer tentativa de melhorar a segurança, a durabilidade ou a eficiência de um pneu normalmente faz com que ele execute um desempenho mais fraco em uma ou ambas das outras duas características. Isso é o que os designers de pneus referem-se como ‘triângulo mágico’. Mas usando borrachas de alto desempenho torna-se possível expandir o triângulo e produzir um pneu que tem um melhor desempenho em todas as três dimensões”, explica o diretor global da unidade de negócios Performance Butadiene Rubbers, Joachim Grub.

O executivo informa que o investimento no Brasil faz parte da expansão global da divisão em mercados de rápido crescimento e cita outro aporte, de € 200 milhões, em curso para a construção de uma nova fábrica para produzir Nb-PBR em Cingapura, com capacidade para 140 mil toneladas métricas por ano e início das operações agendado para o primeiro semestre de 2015.

“O crescimento global para ambos os tipos de borracha é estimado em 10% ao ano até 2017, à medida que os consumidores mudam para os pneus verdes”, argumenta.

DEMANDA VERDE IMINENTE

A estratégia da Lanxess em investir no Brasil baseia-se não só em fortalecer sua base produtiva, mas também em tendências e exigências do mercado, tais como a etiquetagem dos pneus e o novo regime automotivo Inovar-Auto, que exige melhorias na eficiência de combustível de pelo menos 12% até 2017.

“Uma vez que pneus verdes podem proporcionar uma melhora de eficiência de até 7% sobre os pneus convencionais, os novos regulamentos conduzirão a nova demanda por materiais que proporcionem baixa resistência ao rolamento”, disse Grub.

Sobre a etiquetagem de pneus, a portaria do Inmetro deve torná-la obrigatória no Brasil em 2016, como parte do Programa de Etiquetagem, mas os primeiros pneus etiquetados devem começar a aparecer no mercado já em 2014. Na Europa, a etiqueta tornou-se obrigatória em pneus em novembro de 2012 e classifica os produtos quanto à eficiência a partir da avaliação dos níveis de aderência ao piso molhado, resistência ao rolamento e ruído, com classificação de A até G, sendo da categoria A os pneus com a melhor performance. Diferente dos Estados Unidos que também já adotou a etiqueta para pneus, o modelo europeu da etiqueta não optou por colocar a avaliação de durabilidade. A etiqueta brasileira seguirá o modelo europeu.

Para o presidente da Lanxess no Brasil, Marcelo Lacerda, a diferença de custo de um pneu verde em comparação com um pneu convencional é pequena, algo como US$ 20 ou US$ 30. Ele acredita que o valor maior do pneu verde não deverá ser um problema no Brasil.

“O pneu verde deverá sim ser mais caro, mas a economia de combustível que se faz com ele oscilará entre 5% e 10%: após um ano, o investimento do pneu voltará para o bolso do consumidor”, argumentou. Ele acrescentou que a empresa já registra um movimento concreto de interesse dos clientes brasileiros (fabricantes de pneus) pelas borrachas de alta performance. “Assim aconteceu com outras tecnologias, quando elas chegam, a tendência é aumentar a demanda: é um movimento irreversível”, concluiu.



Tags: Lanxess, investimento, pneu verde, borracha sintética, alta performance, eficiência.

Comentários

  • Cristiano Grillo

    Parabéns Lanxess, parceiro de verdade investindo no Brasil e consolidando sua marca.

  • ElianeMilk Vargas

    Bomdia! Sou professora da É.M.E.M Prof Liberato, situada em Boa Vista Triunfo, e estou desenvolvendo um projeto sobre a história dos pneus,o descarte inadequado é os danos ao meio ambiente, com o Nome de "Pneumundo" é gostaríamos de obter mais informações sobre o pneu verde,bem como agendar uma visita a empresa,para um grupo de oito alunos. Obrigada

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência