Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
FPT vende 1,5 mil motores GNV a peruana Modasa

Negócios | 27/03/2013 | 18h47

FPT vende 1,5 mil motores GNV a peruana Modasa

Fabricante quer ampliar negócios fora do Grupo Fiat

GIOVANNA RIATO, AB

A FPT Industrial fechou contrato de mais de US$ 30 milhões para o fornecimento de 1,5 mil motores para a peruana Modasa. Os propulsores a gás natural veicular (GNV) equiparão ônibus produzidos pela empresa andina que atenderão o mercado do país e poderão ainda ser exportados para o Chile, Colômbia, Costa Rica, e Equador. As entregas serão feitas ao ritmo de cerca de 400 unidades anuais, com conclusão em 2016.

Os motores NEF 6 CNG serão importados da Itália, já que as fábricas da FPT Industrial na América Latina ainda não têm escala para produzir o propulsor a gás. “Isso seria perfeitamente possível com pequenas adaptações nas linhas”, explica Olivier Michard, diretor de vendas e marketing da companhia para a região.

Ele garante que espaço nas plantas não falta. A organização tem capacidade produtiva para 120 mil unidades por ano na região, somando o potencial da planta brasileira de Sete Lagoas, Minas Gerais, com o da argentina de Córdoba. Apesar disso, a produção esperada para a América Latina este ano é de 70 mil unidades. Segundo a empresa, a diferença é fruto de investimentos recentes em ampliação das estruturas locais. Com os aportes, a companhia garante estar pronta para a evolução prevista para o mercado nos próximos anos.

APOSTA NO GNV

Apesar de ainda não haver demanda para veículos comerciais a GNV no Brasil, a FPT Industrial investe em pesquisas na tecnologia. “Lideramos globalmente as vendas de motores a gás natural, com mais de 13 mil unidades desde 1997”, calcula Michard.

A aposta é que esse tipo de propulsor comece a ganhar espaço no Brasil. A empresa calcula que a participação do GNV na matriz energética dos veículos no País subiu de 3,7% em 2008 para 4,1% atualmente. Segundo a empresa, esse número deve crescer nos próximos anos. “Depende muito de vontade política, mas é perfeitamente viável principalmente para veículos de serviço, que operam em determinado horário e abastecem sempre no mesmo ponto. Se tivermos estrutura, a demanda crescerá naturalmente”, observa.

A empresa deve homologar até o fim deste ano um motor a gás Euro 5 que está em testes na Iveco em quatro aplicações: no miniônibus CityClass, no ônibus Eurorider, no Tector 170 como caminhão de coleta de lixo e no Daily furgão, todos da Iveco, também do Grupo Fiat. A companhia garante que o motor proporciona redução de consumo de combustível e de emissões de poluentes com maior intervalo e menor custo de manutenção.

NEGÓCIOS FORA DA FIAT

Com as fábricas preparadas para ampliar a produção, a empresa se empenha para fechar contrato com clientes de fora do Grupo Fiat. Na metade de 2012, esses negócios respondiam por 34% das vendas globais da FPT Industrial. Na América Latina este índice é bem menor, fechando o ano passado entre 5% e 6%. A expectativa para este ano é de elevar essa participação para em torno de 10%, perto de 10 mil motores.

Michard afirma que o aumento está garantido com os negócios já fechados com a Modasa e com a Ford, que equipará o caminhão extrapesado que a montadora vai lançar este ano com os propulsores da fabricante italiana. Além disso, o executivo aponta que a TAC (Tecnologia Automotiva Catarinense), que produz o jipe Stark, encomendou 200 motores e lembra dos negócios com a Caoa, que equipa o comercial leve HD78 com propulsor FPT.

A empresa faz pequenas mudanças para atrair os clientes externos. Uma delas foi a abertura de um escritório em São Paulo para abrigar a área comercial comandada por Michard. O executivo francês assumiu o cargo no Brasil no início de 2012 com a missão de incrementar os negócios da marca com empresas de fora do grupo.



Tags: FPT Industrial, Modasa, motor, GNV, gás natural.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência