Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 28/03/2013 | 19h05

Fiat: gestão ambiental consome R$ 30 milhões

Montadora contabiliza resultados dos últimos cinco anos na fábrica de Betim (MG)

REDAÇÃO AB

Nos últimos cinco anos, a Fiat investiu mais de R$ 30 milhões em gestão ambiental, ações que tentam minimizar a geração de resíduos e reduzir o consumo de energia elétrica e de água na fábrica de Betim (MG). A planta registra queda contínua dos indicadores: neste período, para cada veículo produzido, o consumo de energia elétrica caiu 57%, enquanto o consumo de água teve queda de 70%. A geração de resíduos diminuiu 48% e a reciclagem de papel e papelão no período foi equivalente à preservação de mais de 1 milhão de árvores, informa a montadora.

Entre as medidas para redução dos indicadores foi a construção do complexo de tratamento de efluentes líquidos, em operação desde 2010, cujo índice de recirculação de água chega a 99%, evitando o uso da água potável da rede pública para uso industrial. Desde 2011, todos os resíduos gerados são encaminhados para reciclagem e reaproveitamento, o que resultou no projeto Aterro Zero, levando a Fiat a ser a primeira fábrica de automóveis do País a estabelecer esta meta.

“Os materiais anteriormente enviados para os aterros licenciados foram alvo de pesquisas e estudos, na busca por novas destinações. Um exemplo foi o papel liner, comum em rótulos e etiquetas. Como verdadeiros detetives, nossa equipe identificou uma empresa em Pernambuco que desenvolveu uma técnica para reciclagem desse tipo de papel. Em vez de seguir para o aterro, retorna ao processo produtivo”, explica Cristiano Felix, gerente de meio ambiente, saúde e segurança do trabalho da Fiat Chrysler para a América Latina.

A gestão ambiental inclui ainda a utilização de novas tecnologias com foco na redução da emissão de CO2 e uso de fontes renováveis de energia. Nas vias internas da fábrica, postes com placas fotovoltaicas foram instalados em 2010 e são capazes de armazenar energia durante o dia e consumi-la quando necessário. A montadora também criou, em 1998, um sistema de reciclagem de poliestireno expandido (isopor), que reduziu em 50 vezes o volume do material. “Como resultado dessa tecnologia, deixamos de fazer cerca de nove mil viagens de caminhão para a destinação correta desse resíduo”, completa Felix.

Outros materiais considerados refugos (resíduos) na produção de veículos, tais como aparas de cinto de segurança, tecido automotivo e pequenas peças são destinadas à Cooperárvore, cooperativa do projeto Árvore da Vida, que emprega 22 mulheres: elas os transformam em matérias primas para produção de ecobags, bolsas, mochilas, pastas, nécessaires, carteiras, chaveiros entre outros acessórios.



Tags: Fiat, gestão ambiental, resíduos, consumo, reciclagem.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência