Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 04/04/2013 | 19h28

Licenciamentos de caminhões recuam 8,7% no trimestre

Apesar de resultado, Anfavea prevê tendência de crescimento durante o ano

SUELI REIS, AB

Os licenciamentos de caminhões foram 8,7% menores no primeiro trimestre quando comparados com igual período do ano passado. Foram emplacadas 34,3 mil unidades contra as 37,6 mil de um ano antes, conforme os dados divulgados pela Anfavea, na quinta-feira, 4. A média diária do período recuou 4,2%, passando para 572 unidades vendidas em cada um dos sessenta dias úteis. No ano passado, com três dias úteis a mais, a média era de 597 unidades.

Em março, as vendas de caminhões recuaram 10,3%, para 12,2 mil unidades contra as 13,6 mil registradas em março de 2012. Neste caso, a média diária caiu 1,3%, para 614 unidades. Sobre fevereiro deste ano, os licenciamentos de março se mostraram mais robustos, com alta de 23,2%, passando de 9,9 mil veículos em fevereiro para 12,2 mil em março. Este desempenho se deve ao número maior de dias úteis em março, vinte contra os dezoito dias úteis de fevereiro.

Durante a apresentação do balanço, o presidente da entidade, Cledorvino Belini, lembra que no ano passado, durante o primeiro trimestre, havia um cenário favorável, pelo menos para o segmento de veículos pesados, quando as montadoras puderam faturar até o fim de março daquele ano os estoques de Euro 3 para as revendas, o que garantiu produtos mais baratos do que os veículos Euro 5, que entrariam no mercado posteriormente. Em diversas ocasiões durante todo o ano passado, as próprias montadoras admitiram que os estoques de Euro 3 perduraram até meados do terceiro trimestre.

Apesar do desempenho fraco, o presidente da Anfavea, que deixa o cargo este mês, continua otimista com o mercado de caminhões para este ano.

“O começo foi difícil, agora há uma melhora nas carteiras de pedidos, a tendência é de crescimento. Temos condições para isso: o PSI com taxas de juros reduzidas, ambiente favorável para os financiamentos e oferta de crédito”, comentou. Entretanto, assinalou que a inadimplência do setor está um pouco maior do que a de veículos leves, mas não soube detalhar o índice.

PRODUÇÃO E EXPORTAÇÕES

A produção de caminhões subiu consideráveis 39,1% nos três primeiros meses do ano na comparação com igual período do ano passado, devido à baixa atividade do setor em 2012, quando as montadoras só poderiam montar modelos da nova geração Euro 5, conforme dita a nova legislação de emissões Proconve P7. Enquanto em 2012 as linhas produziram 31,3 mil caminhões, entre semileves, leves, médios, semipesados e pesados, este ano, em três meses, a indústria montou pouco mais de 43,5 mil unidades, com destaque para o segmento de semipesados, cuja produção atingiu 17,2 mil unidades no período, alta de 34,1% na mesma base de comparação.

Já as exportações tiveram queda de 25,9% no acumulado e na comparação anual, para 4,2 mil unidades. Só em março, os embarques do segmento recuaram 18,1%, com o envio de 1,7 mil caminhões.

ÔNIBUS

A Anfavea informou ter registrado queda de 9,8% nos emplacamentos de chassis de ônibus durante o primeiro trimestre de 2013 sobre idêntico período do ano passado, para um total de 7,6 mil ônibus. No mês passado, com pouco mais de 3 mil unidades licenciadas, houve retração de 1,9% sobre março de 2012. Contra fevereiro deste ano, as vendas de chassis subiram 26%.

A produção do segmento avançou 56,8% no primeiro trimestre, para 9,9 mil unidades, embalada pelas exportações, que aumentaram 14,2% na mesma base de comparação, ao embarcarem 1,7 chassis nos três primeiros meses do ano.

- Veja aqui os dados divulgados pela Anfavea.



Tags: Caminhões, ônibus, veículos comerciais, Anfavea, Cledorvino Belini, Euro 3, Euro 5.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência