Automotive Business
  
Siga-nos em:

Notícias

Ver todas as notícias

Duas Rodas | 05/04/2013 | 18h00

Suframa quer avançar com novo PPB para motos

Polo Industrial de Manaus deseja mais conteúdo nacional nos veículos feitos na Amazônia

MÁRIO CURCIO, AB

A Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) vem definindo ajustes para o Processo Produtivo Básico (PPB), conjunto de normas que rege a produção em Manaus, inclusive de motocicletas, e permite a maior ou menor quantidade de componentes importados. Em recente entrevista a uma emissora de rádio, o superintendente adjunto de projetos da autarquia, Gustavo Igrejas, afirmou que a utilização de componentes importados elevou-se de alguns anos para cá de 25% para 36%.

A situação atinge diretamente o Polo Industrial de Manaus (PIM), onde há fabricantes de motos e de componentes também (são 46 fabricantes de motopeças). E como a produção de motocicletas caiu 20,9% em 2012, toda a cadeia foi afetada. A mudança das regras não vai agradar a todos: “O PPB atual entrou em vigor em julho do ano passado. As matrizes de nossas fábricas no exterior têm dificuldade de aceitar essas mudanças de regra”, afirma o diretor-superintendente industrial da Harley-Davidson, Celso Ganeko.

A Abraciclo, associação que representa fabricantes do setor, confirma a resistência dos associados. “Não somos contra, mas é preciso ponderar o tempo, a vigência das novas regras”, afirma presidente da entidade, Marcos Szaven Fermanian, sobre a necessidade de prazo pelas associadas. A entrada em vigor do novo PPB ainda não está definida porque depende de consulta popular, o que implica ouvir fabricantes de motos e de peças. Pode ocorrer no primeiro semestre deste ano ou somente em 2014.

A grande dependência de componentes importados para as motocicletas com cilindrada acima de 450 cc preocupa a autarquia. Além da utilização de itens locais, o novo PPB defende o aumento de etapas de produção local. Uma das regras atuais exige soldagem do chassi para motocicletas com cilindrada até 450 cc cuja produção supere 20 mil unidades atuais. O novo PPB pode baixar para 10 mil unidades essa exigência.

Recentemente, a Suframa discutiu com fabricantes de componentes e representantes do Estado do Amazonas a necessidade de aumento da utilização de pneus, câmaras de ar e chicotes elétricos de procedência nacional.

Com as mudanças implantadas, as fábricas também terão a ganhar: “há um conjunto de entraves, desde questões burocráticas até de logística e qualificação específica de trabalhadores, que impactam negativamente os custos das empresas e, com isso, afetam a competitividade do segmento. A ideia é fazer o necessário para que esses entraves sejam solucionados a partir de medidas práticas e efetivas. Vamos fazer um quadro de ações, estabelecer um cronograma e acompanhar a execução em busca dos resultados”, afirma Gustavo Igrejas.



Tags: Suframa, PPB, Gustavo Igrejas, Marcos Szaven Fermanian.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência