Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Legislação | 05/04/2013 | 20h39

Governo cria multas pesadas para descumprimento de eficiência energética

Punições incluem 10% do crédito presumido do IPI e multa de até R$ 360 por veículo vendido até 2017

SUELI REIS, AB

Na mesma medida provisória (MP 612) publicada na quinta-feira, 4, em que governo inclui mais 14 setores da economia na medida de desoneração da folha de pagamento (leia aqui), foram divulgados valores de multas para as empresas habilitadas no Inovar-Auto que descumprirem as metas de eficiência energética previstas no novo regime automotivo.

O Artigo 43 da MP 612 determina que as empresas que não atingirem o índice de 1,82 MJ/km (megajoule por quilômetro) até 2017, o que significa redução mínima de 12% no consumo de combustível de seus veículos na comparação com a média atual, de 2,07 MJ/km, incidirá multa de 10% do valor do crédito presumido concedido do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI), aplicada sobre o valor do crédito referente ao mês anterior ao da verificação da infração.

Além disso, há valores escalonados de multas para quem ultrapassar até o terceiro centésimo da meta estabelecida, de 1,82 MJ/km: para quem passar até o primeiro centésimo maior que o consumo energético correspondente à meta de eficiência deverá pagar R$ 50 para cada veículo vendido pela empresa durante o período entre a data de publicação da MP 612 (4 de abril de 2013) ou a data da primeira habilitação ao Inovar-Auto, o que vier primeiro, até o fim da vigência do regime, em 2017.

Para valores de consumo a partir do primeiro centésimo até o segundo centésimo maior que a meta (1,84 MJ/km, portanto), a multa sobe para R$ 90 por veículo vendido no período. Os valores de consumo que ultrapassarem a partir do segundo centésimo até o terceiro centésimo (1,85 MJ/km), deverão pagar multa de R$ 270 por veículo, enquanto que a partir do terceiro centésimo, para cada centésimo maior que o consumo determinado em lei, a multa salta para R$ 360,00 por veículo.

Para se ter uma ideia da fortuna, uma empresa como a Fiat, líder de mercado, que em 2012 vendeu 838,2 mil veículos, entre automóveis e comerciais leves, se não registrar crescimento anual algum até 2017 – o que é improvável - e caso sua média de consumo energético chegue a 1,83 MJ/km, um centésimo a mais do que determina o regime automotivo, deverá pagar algo como R$ 167,6 milhões de multa, no valor mínimo, podendo chegar a R$ 1,2 bilhão no valor máximo da multa.

Não por menos que as montadoras julgam como maior desafio do regime automotivo a busca pela meta de eficiência energética. Agora que todos sabem das multas, a corrida deve começar para valer.



Tags: Eficiência energética, consumo de combustível, Inovar-Auto, habilitação, IPI, crédito presumido.

Comentários

  • Inaldo Santos

    Vale lembrar que esse dinheiro não sai realmente das montadoras, mas sim do povo que vai pagar mais caro pelo carro, pois duvido que a montadora não repasse, no casos em que for punida, o valor pago por carro no preço final.

  • ivacir oliveira costa

    Quanto a MP 612 se cumprida, a economia no contexto geral,macro e micro estará caminhando no plaino com um cilindro de oxigênio. No quesito multa, é só uma cortina de fumaça. Entendo que para que as montadoras se adeque terão que gastar milhões, cujos estamos pagando nos custos do carros. Então seria mais justo se pagássemos o valor coerente com a qualidade dos carros produzidos. Não fica bem o Governo lançar noticias de ameaças, se não as cumpre, pergunto qual foi a ultima execução de alguma multa. Cuja caberia a GM, pois além de receber redução do IPI com beneficio nos lucros e alta nas vendas, mesmo assim opera com demissão de 598 funcionários, alegando o que?

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência