Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Importadores | 08/04/2013 | 01h45

Gandini confirma fábrica da Kia no Brasil

Ele ainda não sabe quando será erguida, mas já aponta São Paulo como Estado favorito

CAMILA FRANCO, AB | De Itaparica (BA)

José Luiz Gandini, presidente do Grupo Gandini e representante da Kia Motors no Brasil, não tem mais dúvidas de que os carros da marca coreana serão fabricados o quanto antes no País. Durante apresentação do novo Cerato à imprensa no domingo, 7, o executivo anunciou: “Vamos ter uma fábrica da Kia no Brasil. Por mim ela já tinha sido construída há muito tempo, mas ainda não sabemos quando será feita por indefinição do Grupo Hyundai-Kia. A decisão deverá ser tomada ainda este ano.”

Segundo Gandini, se o Grupo Hyundai-Kia não apostar no negócio, uma joint venture poderá ser criada para a fabricação dos modelos ou mesmo o próprio Grupo Gandini investirá na nova planta. “Só preciso da autorização. Se eles não investirem, já tenho condições de construir sozinho.” E se este for o caso, Gandini tem até o Estado escolhido para a nova planta: São Paulo, onde há anos mantém um terreno em Salto preparado para o empreendimento. “Como empresário, eu gostaria muito que fosse São Paulo por causa da concentração de grandes fornecedores de peças e de centros logísticos. Só mudaria de opinião se os benefícios fiscais de outro Estado fossem muito mais atrativos para compensar a diferença de competitividade.”

A vontade de Gandini de fabricar carros Kia no Brasil é antiga. Desde 1998, quando foi convidado para ser sócio de uma planta do grupo na Ásia, começou a idealizar o plano, que na época foi por água abaixo – a empresa passou por reestruturação até que a Hyundai, em 1999, assumiu as operações e mais para frente decidiu montar fábrica no Brasil com o Grupo Caoa, em Anápolis (GO) - e bem mais recentemente a sua própria em Piracicaba (SP), onde atualmente é montada a família HB20.

Hoje, o desejo do executivo tornou-se crucial. Em 2012, a Kia viu suas vendas despencarem, com recuo de 46% sobre 2011, por causa do aumento de 30 pontos no IPI de veículos importados de fora do Mercosul ou do México. Enquanto em 2010 vendia mais de 54 mil veículos por ano e em 2011, 77 mil, em 2012 o volume caiu para 41 mil.

E com a regulamentação do Inovar-Auto, a situação da Kia Motors do Brasil, que há 20 anos vende carros no País, de nada melhorou. Pelo contrário. Gandini se queixa das medidas do novo programa automotivo, que regulamenta aos importadores oficiais sem fábrica no Brasil o teto máximo de 4,8 mil unidades por ano sem pagar a sobretaxação de 30 pontos porcentuais no IPI.

“A Kia Motors, que tem média de emplacamentos dos últimos três anos de 51,9 mil unidades, 172 concessionárias e emprega mais de 8 mil trabalhadores, foi a maior prejudicada do programa. Ao instituir a cota para importados sem os 30 pontos adicionais de IPI, o governo utilizou a maneira mais lógica, a média de vendas dos últimos três anos, mas equivocou-se totalmente ao limitar as cotas ao teto máximo de 4,8 mil unidades por ano. Fere a livre concorrência. Joga no lixo todo o esforço da Kia Motors em 20 anos de trabalho e os R$ 2,1 bilhões em impostos recolhidos somente em 2011. O decreto nivelou por baixo, como se fôssemos uma importadora de uma loja só”, declarou o executivo durante o Salão do Automóvel de São Paulo, em outubro.

Com a fábrica no papel, a Kia optou por não se habilitar ao Inovar-Auto, com validade de 2013 a 2017. O presidente chegou a declarar que tem condições de atender as metas de eficiência energética do programa, já que a companhia tem motores modernos que equipam os carros das marcas Kia e Hyundai, como o que está no HB20. “Mas só com o comprometimento da matriz em atingir as metas e, sobretudo, com a definição da fábrica brasileira, é que poderemos nos posicionar diante do novo regime.”

2013

Para compensar a queda nas vendas, que devem chegar a 45 mil unidades em 2013, 10% a mais do que o fraco desempenho de 2012, segundo estimativa da importadora, uma série de custos foi reduzida. A começar pela publicidade. “A partir de maio, com o fim do Paulistão, a Kia deixará de patrocinar o Palmeiras, meu time do coração, e também para de promover a Copa Kia do Brasil”, anuncia Gandini.

A imagem da marca na Globo, contudo, continuará forte. “Já renovamos com a emissora para transmissões de nossos produtos nas próximas duas novelas das nove. Além disso, continuaremos a anunciar em outros canais abertos e fechados de tevê e aumentar a nossa imagem nas mídias digitais. Serão investidos R$ 50 milhões em publicidade somente em 2013.”

O cronograma de lançamentos para este ano foi mantido. O novo Cerato, que acaba de ganhar visual renovado, novos itens de série e motor bicombustível de 128 cavalos tanto para a versão automática, que sai por R$ 71.900, quanto para manual, por R$ 67.400, chega às concessionárias em maio. O Sorento, que passou por reestilização, ainda não tem preço definido (passará dos R$ 100 mil), e começa a ser vendido a partir da segunda quinzena de maio. Em junho, chegará ao mercado o novo Quoris. No mês seguinte, julho, o Cadenza passará por reestilização. Agosto será a estreia do Cerato hatch com motor 2.0. O novo Carens será apresentado em setembro. O Optima ganha face-lift em outubro e, em novembro, o Cerato cupê começa a ser vendido. O Kia Soul aparecerá renovado no primeiro trimestre de 2014.



Tags: Kia, José Luiz Gandini, fábrica, Inovar-Auto, Hyundai-Kia.

Comentários

  • Fernando

    Bom, já estamos em quase março de 2014 e gostaria de saber se realmente a Kia ainda mantém os planos de montar fábrica no Brasil? Pois muitos clientes assim como eu só pensa em adquirir um modelo da marca, com fábrica no Brasil.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência