Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Autopeças | 08/04/2013 | 16h45

Magneti Marelli prepara inovações para o sistema flex

Nova geração de bicos injetores foca em novos níveis de emissões e eficiência energética

REDAÇÃO AB

A Magneti Marelli prepara uma série de inovações com foco na nova geração de motores flex no Brasil, que daqui em diante, deverão evoluir para alcançar os níveis de emissões e de eficiência energética propostos nas legislações já em vigor, Proconve e Inovar-Auto. A sistemista, pioneira no lançamento da tecnologia flex no mercado brasileiro, revela que está em vias de levar às prateleiras uma nova linha de bicos injetores específicos para motores bicombustíveis.

“Além da evolução contínua do sistema flex, desenvolvemos bicos injetores específicos para motores flex: foram investidos US$ 25 milhões nessa nova linha, para oferecermos um produto mais compatível com esse sistema e, assim, aumentar sua eficiência”, diz Rogério Lessa, diretor da unidade Powertrain da Magneti Marelli.

O executivo informa que a tecnologia está consolidada e até o fim de 2014, a empresa deve apresentar uma nova geração de unidade de controle eletrônico (ECU, na sigla em inglês).

“Está em desenvolvimento uma nova geração de ECU com ainda mais capacidade de processamento de dados, que integra novos algoritmos de cálculo, entre eles, um que utiliza também o ruído emitido pelo motor durante a combustão, identificando a mistura e tornando o trabalho do SFS ainda mais eficaz e, consequentemente, reduzindo o consumo e a emissão de poluentes. Além disso, estamos trabalhando em sistemas de injeção direta para motores flex, que devem estar no mercado até o início de 2015”, acrescenta.

SISTEMA FLEX

A Magneti Marelli foi a primeira sistemista a lançar a tecnologia flex no mercado brasileiro sob a marca SFS (Softtware Flexfuel Sensor) apresentada no primeiro veículo flex do País, o modelo Volkswagen Gol Power 1.6 Total Flex, lançado há dez anos (leia aqui). O software gerencia a queima do etanol, da gasolina ou de qualquer proporção de mistura entre os dois combustíveis no motor.

O sistema, baseado em um avançado programa de cálculo (algoritmo), é inserido no módulo de comando da injeção eletrônica, também conhecido como centralina, sendo capaz de identificar e quantificar a mistura entre etanol e gasolina do tanque, utilizando informações recebidas dos sensores instalados em todo o sistema de injeção de combustível, como a sonda labda, localizada no escapamento, sensores de detonação, rotação, velocidade e temperatura.

Com essas informações, o algoritmo determina a quantidade de combustível que será injetada no motor e também o instante da faísca que deve saltar da vela para efetuar a queima dessa mistura. Sistemas bicombustíveis de outros países exigem a inclusão de um sensor físico de alto custo para fazer este tipo de análise, o que não se aplica ao SFS.

O sistema proporciona a vantagem do poder de escolha do combustível com a melhor relação custo benefício pelo consumidor.

A Magneti Marelli fornece seu sistema bicombustível para as montadoras Fiat, Ford, Hyundai/Caoa, Mitsubishi, PSA Peugeot Citroën e Volkswagen.



Tags: Magneti Marelli, sistema flex, SFS, bicos injetores, motor flex.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência