Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Duas Rodas | 29/04/2013 | 15h27

Cidades deixam de emplacar 190,5 mil motos em 2012

Se fizessem parte das estatísticas do Renavam, unidades resultariam em lacração 11,6% maior

MÁRIO CURCIO, AB

Um estudo da consultoria Autoanálise revela que 190,5 mil motocicletas vendidas em 2012 não apareceram em estatísticas oficiais porque não foram emplacadas. Assim, em vez das 1.637.481 unidades que constam no Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), o total alcançou 1.828.000 motocicletas, 11,6% a mais.

O não emplacamento de veículos de duas rodas ocorre com grande frequência em cidades das Regiões Norte e Nordeste, em que modelos com cilindrada até 50 centímetros cúbicos, os ciclomotores, rodam sem placa por falta de fiscalização ou por causa de uma brecha no Código de Trânsito Brasileiro, o artigo 129.

Como exemplo, a fabricante brasileira Kasinski repassou em 2012 a seus concessionários 15.124 unidades do modelo Soft 50, que ela produz em Manaus (AM). Contudo, somente 2.801 desses ciclomotores foram emplacados no período.

Outra nacional, a Traxx, informou 7.709 unidades distribuídas da JL 50 no ano passado. O emplacamento, porém, só ocorreu para 2.220 destas. A também brasileira Dafra vendeu à sua rede 14.352 exemplares da Zig 50 no ano passado, mas só 2.546 delas foram lacradas.

Vale ressaltar que a Dafra também produz e vende uma versão Zig com motor de 100 cc, da qual repassou à rede 2.074 unidades em 2012. No mesmo período, os emplacamentos desse modelo somaram 3.027.

Segundo o consultor Francisco Trivellato, o consumidor é atraído pela economia que essa opção representa na prática. Comprando um veículo de 50 cc que não irá emplacar, ele gastará menos de R$ 4 mil. Se optar pela formalização, terá de gastar quase R$ 1 mil a mais com a documentação e a placa.

Trivellato afirma que esse cenário já tem reflexo no mercado de motocicletas, em que a venda dos modelos de 125 cc teve queda maior que a do mercado em 2012. De acordo com a Autoanálise, cerca de 200 mil unidades com 50 cc de cilindrada foram importadas em 2012, mas somente 15.857 foram emplacadas. Somadas essas “cinquentinhas”, as vendas em 2013 devem atingir, segundo a consultoria, 1.883.000 motocicletas, 10,9% a mais do que os 1.697.990 emplacamentos projetados pela Fenabrave, federação que reúne as associações de concessionários.



Tags: Renavam, motos, motocicletas, ciclomotores, Kasinski, Autoanálise, Francisco Trivellato.

Comentários

  • Jaime Nazário

    O autor não está adequadamente informado sobre a legislação que versa sobre os ciclomotores (motos e motonetas com menos de 50cc). A competência para registro e licenciamento destes veículos é municipal (art. 129 do CTB), portanto estas NÃO "rodam sem registro por falta de fiscalização", como publicado. Estas motos rodam "sem placa" porque os municípios não estabeleceram legislação e departamentos específicos para que os cidadãos encaminhem os devidos registros e licenciamentos exigíveis. Vale ressaltar, no entanto, que estas "cinquentinhas" devem estar equipadas com todos os equipamentos de segurança para circular e para sua condução é exigível a ACC (Autorização para Condução de Ciclomotores) ou CNH tipo "A". Jaime Nazário - ISM - Instituto Sobre Motos

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência