Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Tecnologia | 06/06/2013 | 22h39

Volvo mostra tecnologia flex para caminhão no Brasil

Apesar de testes realizados no País, não há previsão de venda

SUELI REIS, AB | De Itatiba (SP)

A Volvo apresentou na quinta-feira, 6, um modelo de caminhão flex que roda com diesel e GNL, sigla para gás natural liquefeito. Importado da Suécia, o modelo bicombustível é o FM 460cv 6x4. Com carga máxima de tração de até 45 toneladas, o caminhão transporta 27 toneladas de carga durante os testes, que têm sido realizados em rodovias brasileiras desde fevereiro deste ano. O modelo representa a nova aposta da marca na busca por alternativas de combustíveis, redução do consumo de diesel e das emissões poluentes de veículos comerciais pesados.

Os testes são realizados em parceria com a White Martins e seu consórcio com a GásLocal e a Petrobras, responsáveis pela produção do gás liquefeito na única fábrica do combustível existente no País, em Paulínia, no interior paulista. Os testes já somam mais de 50 mil quilômetros. Os resultados mostram que para percorrer os 580 quilômetros entre Paulínia e Avaré o caminhão gastou 222 litros de diesel. No mesmo trajeto, com a combinação entre diesel e gás natural liquefeito, o consumo ficou em 90 litros de diesel, chegando a um índice de substituição de 62%.

Segundo Bernardo Fedalto, diretor de caminhões da Volvo para o Brasil, o GNL entrará gradativamente no mercado: “Acreditamos que o gás natural liquefeito será o primeiro combustível a se sobrepor ao diesel. É fato que o diesel continuará dominante na próxima década, mas dez anos não é muito. Um exemplo é a caixa de transmissão automática. Quando apresentamos a tecnologia, em 2006, houve certa repulsa e até descrédito, mas hoje, 90% da nossa produção é equipada com caixa automática”, enfatizou.

O executivo acrescenta que em processos iniciais de novos projetos e em sua fase de testes é natural que não se tenham informações precisas sobre o custo real de operação do veículo e de sua economia sobre o custo operacional de um caminhão convencional. A Volvo não soube informar quando planeja iniciar as vendas do produto no País, mas os próximos passos da montadora sugerem este objetivo: adaptações necessárias com relação à legislação - o Proconve P7 não prevê caminhões que possam ser abastecidos com dois tipos de combustíveis - e criação de uma rede de abastecimento de GNL, similar à do diesel, já em estudo em parceria com a White Martins.

O diretor de estratégia de caminhões do Grupo Volvo na América Latina, Sérgio Gomes, sinaliza que ainda não há definições sobre a diferença de preço entre o caminhão flex e o convencional: “Mas como há adição de componentes, como o tanque exclusivo para o armazenamento do GNL, deverá ter um preço um pouco mais elevado”, comenta. Ele acrescenta ainda que o caminhão poderá ter duas configurações de tanque, uma de 280 litros e outra com 544 litros de GNL, e reforça que não há tempo definido para sua homologação nem previsão de vendas no Brasil.

Entretanto, a novidade já despertou a atenção de clientes em potencial, revela o diretor executivo da White Martins, Gilney Bastos. “Alguns frotistas já se mostraram interessados”, disse. Segundo ele, o custo do litro do GNL no mercado é menor que o do diesel e, de acordo com os estudos apresentados, o novo combustível não alterou o desempenho na operação do caminhão e sua autonomia aumenta em 50% na comparação com o veículo quando movido apenas a diesel. O caminhão flex pode rodar com proporção de 60% a 70% de GNL e o restante de diesel ou 100% diesel. A tecnologia não permite ao veículo rodar somente abastecido com GNL: o diesel é responsável pela ignição do veículo, que permanece no ciclo diesel.

Para a próxima fase de teste, a Volvo pretende abranger a avaliação do caminhão flex com outras aplicações e topografias e, possivelmente, com frotas de outras empresas.

Enquanto isso, na Europa, o caminhão movido a diesel e gás natural liquefeito já é uma realidade: lançado pela Volvo em 2011 , já teve 300 unidades vendidas, das quais 150 foram negociadas este ano para clientes – na maioria grandes frotistas – em países como Inglaterra e Holanda, utilizados em transporte de longa distância. No Velho Continente já existe uma estrutura de abastecimento, com 38 estações de GNL disponíveis e outras 181 em construção, localizadas em um corredor pré-definido onde há tráfego mais intenso de caminhões pesados.

Nos Estados Unidos, o caminhão que roda com GNL também já existe: são 73 estações e previsão de construção de mais 150 postos. A estimativa é que a participação do GNL possa estar entre 6% e 8% na frota norte-americana até 2016.



Tags: Volvo, caminhão, diesel, gás natural, flex, White Martins.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência