Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Powertrain | 10/06/2013 | 17h15

Carro flex: 20 milhões em evolução

Após dez anos, tecnologia ganha novo fôlego com programa Inovar-Auto

LUCIA CAMARGO NUNES, PARA AB

Em março de 2003 surgia o primeiro carro flex no mercado brasileiro, movido a gasolina ou etanol em qualquer proporção. Pouco mais de dez anos depois, a tecnologia chega perto dos 20 milhões de veículos produzidos, marca que deve ser alcançada em julho. Isso representa mais de 90% do mercado de veículos com motores de ciclo Otto, incluindo modelos importados flex.

Nesta entrevista, Henry Joseph Junior, vice-presidente da Anfavea e diretor da AEA, conta como foi a trajetória do flex, tecnologia adaptada de uma ideia americana dos anos 70, em cenário em que havia a necessidade de fazer o mercado crescer. Do ponto de vista do consumidor, “foi um grito de liberdade”, define o executivo.

Tecnicamente, os engenheiros, que tinham na época do Proalcool parte do know how que ajudaria no desenvolvimento de materiais, conseguiram fazer o flex evoluir em desempenho, consumo e emissões. O executivo garante que vêm mais avanços por aí, com desenvolvimento de novos recursos para atender às metas de eficiência energética do Inovar-Auto e expectativa de queda de preço do etanol com a chegada de sua segunda geração. No longo prazo, a evolução pode resultar no primeiro carro híbrido equipado com um motor elétrico e um flexível.

Automotive Business: como foi o surgimento do flex?
Henry Josephy:
na época, final dos anos 90 e início dos anos 2000, o mercado não ia bem. A produção patinava em 1,5 milhão de veículos e buscavam-se alternativas para fazer o mercado crescer. O álcool teve uma boa aceitação no passado. Pesquisas de mercado indicavam que o consumidor tinha boa impressão pela potência e desempenho, mas o receio era o medo do desabastecimento. Por isso pensar no flex foi uma alternativa para melhorar as vendas.

AB: foi uma ideia brasileira, então?
HJ:
não, a ideia do flex não é brasileira. O conceito surgiu no mercado americano nos anos 70/80. Surgiu como uma tecnologia complicada, que dependia de um sensor que trabalhava por infravermelho. Mas demos o pulo do gato, o Brasil fez diferente. Usando sensores convencionais e identificando qual era o ajuste transformamos uma ideia inteligente e cara numa ideia inteligente, mas simples e mais barata. Criamos o flex com a leitura de banco de dados do computador de bordo. A diferença de um e de outro foi o desenvolvimento da eletrônica e da computação.

AB: como você vê o antigo álcool, dos anos 70 e 80, e o advento do flex, a partir de 2003?
HJ:
o flex tem uma importância fundamental para a indústria. Foi o ponto de inflexão da tecnologia aplicada no Brasil. No início da indústria automotiva tínhamos a gasolina ou o diesel. Com a crise do petróleo nos anos 70 a indústria adotou um combustível alternativo, o álcool. Passou, então, a ter de decidir pela briga de ter carros a álcool ou gasolina e os impasses do governo sobre um ou outro combustível. A tecnologia flex, como surgiu, mudou as características de mercado.

AB: no início dos anos 2000 já praticamente não existia mais carros a álcool. Como foi essa mudança?
HJ:
essa mudança foi justamente porque o consumidor não precisaria mais se preocupar com o combustível que iria abastecer, ele poderia decidir na hora. Foi um grito de liberdade, independentemente de produção suficiente de álcool ou gasolina. O mercado era sazonal, mudavam conforme a boa vontade. Agora há essa liberdade.

AB: e como estava o mercado de combustível com a aparição do flex?
HJ:
o preço baixo do etanol foi um driver forte, porque era convidativo, custava metade do litro da gasolina. Tinha motorista com carro só a gasolina que colocava etanol por causa do preço.

AB: o flex dependia da aceitação do mercado?
HJ:
a evolução do carro a álcool começou tímida, ninguém sabia se ia dar certo, se o consumidor iria querer. Tanto que quando começou veio, por exemplo, em carro 1.6, caso do VW Gol, GM foi em um motor 1.8, e da Fiat em 1.5 porque era ainda a tecnologia que se tinha em pé. Mas a partir do lançamento, mostrou que ia bem e melhorou muito. Outra questão foi o apelo de venda das montadoras, porque elas passaram a oferecer um veículo flex pelo mesmo preço. Quando ganhou escala e o preço caiu, resolveram migrar para os motores 1.0.

AB: e quanto à questão do preço do combustível? Há momentos em que o preço do etanol se equivale ao preço da gasolina?
HJ:
o consumidor aprendeu que preço de etanol é sazonal, existem momentos em que o etanol não é atrativo. O consumidor já entendeu que pode usar outro e que ele pode escolher o que tiver menor custo. A montadora saiu dessa discussão de preço. Mas teremos novidades tecnológicas com a segunda geração do etanol (o bioetanol), que promoverá uma superprodução e o deixará a preços mais convidativos.

AB: como foi a decisão do flex para a indústria?
HJ:
existia aquele dilema se era melhor dar um passo mais voltado à gasolina ou ao etanol. Se fosse para a gasolina os desenvolvimentos iriam a uma direção. Se fosse para o etanol seriam outros materiais, outros conceitos. O mercado não sinalizava preferência, por isso o dilema. Com a entrada do flex isso acabou. Toda a tecnologia passou a ser desenvolvida em cima do flex.

AB: a decisão pelo flex facilitou o desenvolvimento de novas tecnologias?
HJ:
do ponto de vista tecnológico, o foco era produzir carros cada vez melhores. E a partir de uma tecnologia única, desenvolver um padrão para tudo. Baseada nisso, a indústria deu um passo fundamental para melhorar a tecnologia dos motores.

AB: a indústria já tinha mais conhecimento do uso de materiais por causa do antigo álcool?
HJ:
sim, havia esse conhecimento. As montadoras que lançaram o flex já tinham a experiência com o álcool. A partir daí o desenvolvimento de materiais acompanhou a indústria mundial. Materiais mais leves, mais baratos, como evolução natural do veículo.

AB: o que mudou nos motores desde o surgimento do flex?
HJ:
houve uma diferença gritante de desempenho, consumo, emissões. A concorrência ajudou a melhorar. Hoje temos até importados flexíveis. Todos tiveram de se render a esse padrão mínimo.

AB: a diferença de consumo entre etanol e gasolina pode reduzir, deixando-os mais próximos?
HJ:
Se continuar com esse conceito de combustão interna sempre haverá um delta, essa diferença de 30% por causa do aproveitamento de energia. É uma questão física, não tem como melhorar. Mas com a evolução do flex houve melhora na eficiência com os dois combustíveis.

AB: a tecnologia flex pode ser exportada?
HJ:
sim, é uma tecnologia com potencial para exportação e pode ir onde houver disponibilidade de etanol, mesmo se for de diferentes fontes, como milho ou outro tipo de biomassa. A tecnologia também poderá ser produzida em outros países, porque ela não é segredo de estado.

AB: como o senhor vê o futuro do flex?
HJ:
em primeiro lugar o flex veio para ficar. Não vamos retroagir. O que vai acontecer é que a evolução no flex tem espaço e temos as metas a serem alcançadas com o programa Inovar-Auto de incentivos pela eficiência, consumo e emissões. Além disso, a indústria vai procurar associar o flex a outros conceitos de motor, como a injeção direta, o turbo, o multiválvulas. Essas tecnologias serão aplicadas no Brasil com o flex.

AB: em quanto tempo?
HJ:
isso será no curto e médio prazo. No longo prazo poderemos ter híbridos flex. Temos também outras inovações, que virão com o Inovar-Auto nos próximos anos. O veículo brasileiro atual está em um patamar tecnologicamente simples, mas ficará mais elevado. Temos o Start Stop, a utilização de materiais mais leves, de pneus verdes. É um campo bastante grande para evoluir para aumentar a eficiência energética.

AB: o objetivo do flex agora é a eficiência energética?
HJ:
Enquanto não houver obrigatoriedade de emissões ou eficiência energética o mercado se baseia em questões de preço e custo. A tecnologia dos motores é baseada em custos. E tem as questões de mercado, por causa da guerra de preços. Mas se for obrigatório melhorar a eficiência energética o nível de tecnologia vai ter de melhorar.

AB: e teremos de esperar até 2017 por essas melhorias?
HJ:
não. No meio desse caminho teremos novas regras do Proconve, até 2015 todos terão de reduzir nível de emissões. Essas características já atenderão ao Inovar-Auto. A questão financeira será resolvida ao ter de fazer tudo de uma vez só, pelo menos os modelos best sellers de cada fabricante. Entre 80 e 90% dos modelos lançados terão essas modificações e o restante será ajustado até 2017. A primeira preocupação será com veículos que vende mais.



Tags: flex, Henry Joseph, veículo, motor, bicxombustível.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência