Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Negócios | 17/06/2013 | 19h25

Renault usará cota de Inovar-Auto para trazer Captur

O CEO Carlos Ghosn reclama de altos impostos para se produzir no Brasil

CAMILA FRANCO, AB | De Curitiba (PR)

O CEO da Aliança Renault-Nissan, Carlos Ghosn, reuniu-se com a imprensa na segunda-feira, 17, na Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná), e revelou que a Renault vai lançar mão em breve da cota de importação de 9,6 mil veículos ao ano prevista para empresa pelo Inovar-Auto, o novo regime automotivo em vigor desde o começo deste ano. O Captur, compacto global da marca apresentado no Salão de Genebra e que já foi visto em porto brasileiro, é o modelo mais cotado para ocupar o volume de importação.

“Nas próximas semanas vamos definir se importaremos apenas um veículo ou dois. Os que têm mais chances são o Captur e o Megane RS, versão esportiva do Megane hatch”, complementou Olivier Murget, presidente da Renault no Brasil.

O presidente da Renault tem anunciado desde o ano passado que, diante dos altos custos de produção brasileiros, a empresa aposta na produção de modelos de altos volumes, a começar por hatches e sedãs compactos de até R$ 30 mil, como o Sandero, que vende ao ano cerca de 100 mil unidades, e o Duster, com média de 50 mil. “Para aproveitar a cota sem o IPI majorado, vamos importar um veículo de um segmento novo e com valor acima disso”, justificou Murget. Em 2013, a Renault passará a produzir apenas novas séries limitadas dos modelos que já mantém no mercado.

O CEO Carlos Ghosn diz que a estratégia foi adotada por causa dos altos impostos praticados pela indústria brasileira. “Não tenho dúvidas de que a economia brasileira crescerá nos próximos anos. Em 2012 avançou 0,9% e já tem sinalizado um crescimento de 2,5% em 2013. Minha única preocupação está relacionada à perda de competitividade. Aqui, 30% do preço do carro corresponde à tributação. Na França, os impostos chegam a 16% do valor do carro e nos Estados Unidos, a 6%. As medidas adotadas recentemente pelo governo brasileiro, como a redução do IPI para os automóveis até o fim do ano e dos custos da energia elétrica, além da medida provisória que melhora a eficiência dos portos, são positivas e podem ajudar a trazer aos poucos a competitividade. Mas ainda é preciso fazer mais, principalmente para reduzir a carga tributária. Só assim vamos aumentar o nosso consumo interno e também as nossas exportações.”

Diante desses desafios, Ghosn - diferentemente da Anfavea, que prevê expansão da indústria automotiva de 3,5% a 4,5% sobre 2012 -, aposta que 2013 manterá o mesmo volume de vendas de 2012, de 3,8 milhões de automóveis e comerciais leves. “O nível de 2012 já foi bastante alto e prefiro manter uma previsão conservadora. O mercado brasileiro só deve chegar a 4,5 milhões de unidades em 2017.”

Sua previsão para a Renault é mais otimista. “Crescerá acima do mercado, como já vem acontecendo nos últimos três anos - em 2012, a empresa registrou alta de 24%, enquanto o mercado geral de veículos e comerciais leves ficou na casa dos 6%; em 2011 a fabricante cresceu 21% e o mercado, 3%; em 2010 os índices foram de 36% contra 10% de avanço. E chegará a uma participação de 8% até 2016. Esta alta vai contribuir, inclusive, para um avanço da marca no cenário internacional.”

Atualmente, o Brasil é o segundo mais importante mercado para a Renault, atrás apenas da França. Ghosn aposta que Brasil, Rússia, Índia e outros países emergentes ajudarão o mercado mundial avançar de 2% a 3% em 2013, enquanto a Europa deve registrar queda pelo sexto ano consecutivo. “A retração europeia deve ser de 5% em 2013. Só em 2016 o mercado europeu voltará ao nível de vendas de 2007”, concluiu o CEO.



Tags: Renault, Carlos Ghosn, importação, produção, Captur, Inovar-Auto.

Comentários

  • jairo vidal

    A estrategia da Renault do Brasil ou no Brasil não é certa nem tão pouco errada. O Captur irá vender. Com certeza irá vender. Os seus concorrentes diretos vendem e rentabilizam os concessionários e importadores. Prova de realmente á mercado para todos os bolsos e gostos. Moro na China e aqui o novo e bom Scenic ja faz sucesso, deveria estar no Brasil e venderia aos borbotões. No ultimo Salao de Beijing a Renault encantou com Fluence, Lattitude, Laguna, Megane, Clio e Sandero. Particularmente, tenho um Renault Koleos Adventure, é a minha paixão. Também deveria estar disponível no Brasil. Acorda Renault. O brasileiro conheço carro, e tem crédito para enfrentar valores mais expressivos. Mirem no exemplo da KIA, Hyundai e Honda. SDS

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência