Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Duas Rodas | 17/06/2013 | 23h10

Dafra amplia gama de motocicletas com Horizon

Nova custom fornecida pela Daelim é montada em Manaus e tem tabela de R$ 13.690

MÁRIO CURCIO, AB | De Itupeva (SP)

As cerca de 200 concessionárias Dafra começaram a receber a motocicleta Horizon 250, montada em Manaus (AM) a partir de componentes fornecidos pela fabricante sul-coreana Daelim. O preço sugerido é de R$ 13.690.

A Horizon é um modelo custom, voltado ao uso predominante em estrada. Ela se enquadra naquilo que a Dafra chama de estilo de vida: “Tem motociclista que começa a planejar o passeio do fim de semana já na quarta-feira. Alguns compram a moto, deixam na casa de amigos e nem contam para as esposas”, afirma o vice-presidente da companhia, Francisco Stefanelli.

De acordo com dados apresentados pela Dafra, 55% do segmento custom é formado por motos com cilindrada entre 125 e 150 centímetros cúbicos e 38% por modelos acima de 500 cc. “A faixa de cilindrada entre 200 e 350 cc tem apenas 7% do total pela falta de opções no mercado”, afirma o diretor de engenharia, Victor Trisotto. Ele tem razão, pois a única custom no Brasil com porte semelhante é a Kasinski Mirage 250 (R$ 13.990), cujos componentes são fornecidos pela também sul-coreana Hyosung.

Apesar dessa brecha no mercado, a previsão de vendas da Dafra para seu novo modelo é bastante modesta, entre 40 e 60 unidades mensais. “Se a demanda for muito maior do que isso não teremos motos para entregar”, afirma Trisotto. Como comparação, o modelo concorrente teve média mensal de emplacamentos de 118 unidades em 2012, um ano ruim. Tomando por base o ano de 2011 (o melhor para o mercado brasileiro de duas rodas), essa média mensal foi de 178 Kasinski Mirage 250.

Para cumprir o Processo Produtivo Básico (PPB) exigido pela Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), a Dafra Horizon tem uma pequena quantidade de itens nacionais, como juntas de motor e cabos de comando, por exemplo: “Em relação a seu custo, ela tem entre 15% e 20% de conteúdo local”, afirma Trisotto.

Segundo a Dafra, com as primeiras unidades enviadas à rede foi enviado também um kit de peças básicas e o centro de distribuição já está abastecido para a moto. Essas instalações ficam em Itajaí (SC). De acordo com a fabricante, o local tem 11 mil metros quadrados, emprega 45 funcionários e estoca 1,6 milhão de peças, que superam os R$ 10 milhões. Dali partem 4 mil itens todo o mês.

Numa cesta de peças de reposição formada por 14 itens, que vão de retrovisores a kit de transmissão (coroa, corrente e pinhão), os preços praticados pela Dafra estarão abaixo da metade dos mesmos itens da concorrente Kasinski. A Dafra garante preços de revisão predeterminados. A moto tem garantia de um ano.

Dafra
Motor monocilíndrico da Horizon produz 23,1 cv. Velocímetro e hodômetros estão em um copo central. Marcador de gasolina fica sobre o tanque. Lanterna traseira usa LEDs em vez de lâmpada comum. Freio dianteiro tem dois discos (fotos: Mário Curcio e Dafra/divulgação)

DAFRA MONTA EM MANAUS MOTOS DE DEZ FABRICANTES

Quando entrou no mercado, em 2008, a Dafra dependia apenas de fornecedores chineses e fabricava modelos entre 100 e 150 cc. Hoje, seus produtos começam em 50 cc e são montados a partir de quatro fornecedores chineses (Lifan, Zongshen, Haojue e Jianshe), um indiano (TVS), um taiwanês (SYM) e um sul-coreano (Daelim). Dentro da Dafra também são nacionalizadas motocicletas BMW, Ducati e MV Agusta. Desta última, a Dafra detém o direito de comercialização.

ADEQUADA AO MERCADO BRASILEIRO

A nova custom da Dafra utiliza como base a Daelim Daystar 250, que recebeu algumas modificações para tornar-se Horizon no mercado brasileiro. O maior número de componentes cromados é um exemplo. O motor da motocicleta tem um cilindro, quatro válvulas, injeção eletrônica e refrigeração a líquido. É semelhante ao da Roadwin 250, também fornecida pela Daelim, mas passou por mudanças técnicas para ter mais força em rotações baixas, como pedem motos custom. O torque passou de 1,97 para 2,21 kgf.m. A potência é de 23,1 cv.

Automotive Business pilotou a motocicleta em um pequeno percurso de dez quilômetros de asfalto bom, mas pista sinuosa. Um ponto negativo é a vibração do motor em acelerações e retomadas de velocidade. Andando a 120 km/h constantes esse incômodo é menor.

A moto tem comportamento adequado em curvas e boa posição de pilotagem. O câmbio de cinco marchas tem engates fáceis e os freios a disco (dois dianteiros e um traseiro) são bem eficientes. Segundo o diretor de engenharia, a nova Dafra alcança 126,5 km/h.

Por causa do assento baixo, com 72,5 centímetros, até pilotos com menos de 1,65 metro terão facilidade de lidar com os 163,4 quilos da Horizon.



Tags: Dafra, Horizon, Daelim, Francisco Stefanelli, Victor Trisotto, Kasinski Mirage 250, PPB, Lifan, Zongshen, Haojue, Jianshe, TVS, SYM, Daelim, BMW, Ducati, MV Agusta.

Comentários

  • jose luiz bizzo

    Eu tenho uma kansas 150, estou muito feliz com ela, porém acho que o lançamento dessa nova moto chamada de horizon não poderia ser feito assim e sim lançar uma com o nome de kansas 250 como já teve no passado isso valorizaria a kansas 150 de hoje, mesmo desse modo convio na Dafra e continuarei a uzar sempre a marca.

  • Myrian Alexandre

    Tenho uma Kansas 150 cc e gosto muito do desempenho dela. o que me preocupa é a reposição de peças que necessita pedir na concessionaria ou pela internet. No caso de uma viajem longa como quero fazer fico temerosa se algo acontecer e não encontrar peças para troca imediata como ocorre com outras marcas. estou no aguardo da horizon mas concordo com o Jose luiz deveriam manter o nome kansas 250.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência