Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 27/06/2013 | 15h06

Biocombustíveis só terão sucesso com política pública

Diretor do CBIE crê que combustíveis verdes devam complementar a demanda de petróleo

FERNANDO NEVES, PARA AB

O futuro dos biocombustíveis passa necessariamente pela adoção de política pública para o setor. Para o diretor do Centro Brasileiro de Infra-Estrutura (CBIE), Adriano Pires, é preciso haver previsibilidade para o segmento atrair investidores. O executivo participou do painel “Cenários 2020: para onde caminham os biocombustíveis”, realizado no Ethanol Summit 2013, que vai até 28 de junho no hotel Grand Hyatt, em São Paulo (SP).

Segundo Pires, o governo brasileiro fez uma opção clara em favor dos combustíveis fósseis ao congelar o preço da gasolina em 2008, além de isentar o recolhimento da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico Combustível (Cide). “Isso representa a renúncia de R$ 22 bilhões desde 2008”, afirma.

Para o executivo, o exemplo norte-americano de adoção gradual de novos combustíveis seria o mais indicado para o mercado brasileiro. “Nos Estados Unidos há parceria entre as petroleiras e os produtores de bicombustível porque o produto se apresenta como complemento e não como competidor”, explica. O executivo informou que em 2020 a participação de biocombustíveis nos EUA será de 19%.

O ex-secretário de Comércio do governo dos Estados Unidos, Carlos Gutierrez, explicou como será adotado o gás de xisto em seu país: passo a passo. Gutierrez disse que não há existe infraestrutura de distribuição do novo combustível, o que limita sua utilização. “Haverá incentivo para a adoção no transporte público e de cargas de curta distância”, explicou.

Para o vice-presidente da Amyris, Joel Velasco, o mercado de biocombustível deve inspirar-se no de petróleo para buscar seu posicionamento. “Metade dos 160 litros de cada barril de petróleo vai para a gasolina. Precisamos pensar em outros mercados”, advertiu durante sua exposição no evento. No entanto, mesmo com as dificuldades de ausência de política de suporte para o setor, Velasco disse que o Brasil ainda é um bom destino para os investidores internacionais interessados em aplicar no desenvolvimento e produção de biocombustíveis.

Ele concorda com o diretor do CBIE sobre a necessidade de políticas públicas “que deem previsibilidade e ao mesmo tempo cobrem metas de produtividade dos investidores. Sem isso, o futuro do etanol fica comprometido", afirmou Pires.



Tags: CBIE, Adriano Pires, Cide, Carlos Gutierrez, biocombustíveis, petróleo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência