Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 27/06/2013 | 16h47

Etanol caminha para transformar-se em commodity

Usinas devem elevar volume de produção e a qualidade do biocombustível

FERNANDO NEVES, PARA AB

A indústria de etanol deve elevar sua produção e qualidade para transformá-lo em commodity. Essa é a avaliação de Mauro Borges Lemos, diretor da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), ligada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Durante o Ethanol Summit, que vai até 28 de junho no hotel Grand Hyatt, em São Paulo (SP), Lemos defendeu a elevação do setor ao patamar mundial durante sua participação no painel “Viabilizando o crescimento: medidas de longo prazo para o setor sucroenergético”.

O diretor da ABDI disse que isso levaria à criação de um produto ao mesmo tempo mais homogêneo, para ser classificado como commodity, e misturável, mantendo o conceito flex, desenvolvido no Brasil. “Somente dessa maneira se conseguirá competir com os combustíveis fósseis”, disse.

A elevação da produção de etanol implicaria a instalação de novas usinas “greenfield” no jargão do setor, preferencialmente no interior, gerando impacto positivo em novas comunidades. Para Marcos Neves, professor da Universidade de São Paulo - Campus Ribeirão Preto, isso seria na prática a interiorização do desenvolvimento e da atividade econômica.

Neves apresentou um estudo sobre os impactos de duas novas usinas de cana-de-açúcar na cidade de Quirinópolis (GO), instaladas em 2006. Em 2005, o número de empregos na cidade era de 5 mil, passando para 11 mil em 2011. A arrecadação de impostos também cresceu. Goiás, que em 2005 recolhia R$ 8 milhões em Impostos sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), passou para R$ 24 milhões seis anos depois. Já a fazenda municipal arrecadava em Impostos Sobre Serviços (ISS) R$ 900 mil em 2005 e passou a recolher R$ 9 milhões seis anos depois. “Sem queda na produção de alimentos”, assegurou Neves.



Tags: Ethanol Summit, etanol, ABDI, MDIC, greenfield, setor sucroenergético, Mauro Borges Lemos, ISS, ICMS, Marcos Neves, Universidade de São Paulo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência