Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Combustíveis | 28/06/2013 | 19h05

Etanol na gasolina norte-americana abre oportunidade para o Brasil

Álcool de cana será a melhor opção de importação para os Estados Unidos

FERNANDO NEVES, PARA AB

A presença mandatória de 10% de etanol na gasolina norte-americana abrirá, no longo prazo, oportunidades de exportação para o produto brasileiro. A avaliação é do professor e ex-ministro de Ciência e Tecnologia, José Goldemberg, durante o painel “Brasil-Estados Unidos: oportunidades e obstáculos para a cooperação em biocombustíveis”, realizado durante o Ethanol Summit 2013, em São Paulo.

Goldemberg explica que há limitação para a expansão da área de cultivo de milho nos Estados Unidos, que hoje é de 14,5 milhões de hectares. Já no Brasil, a área de plantio de cana de açúcar, de 6 milhões de hectares, pode ser expandida. “Para atender a demanda de 57 bilhões de litros em 2015 os Estados Unidos terão de importar etanol e o Brasil é o produtor mais vantajoso”, afirmou.

O ex-ministro informou que, além dos Estados Unidos, outros 25 países adotaram a mesma medida de incluir 10% de etanol na mistura com a gasolina. O objetivo é baixar o nível de gases veiculares emitidos. “O etanol de cana é mais favorável para a redução de emissões do que o do milho”, explicou. Isso porque a cana é atualmente a fonte mais sustentável de etanol, produz 9,3 unidades de energia renovável para cada unidade de combustível fóssil gasto em seu ciclo de fabricação, enquanto para o milho essa relação é de apenas 1,4:1 e para a beterraba 2:1.

Com isso, o desempenho ambiental é amplamente favorável: o uso de etanol de cana nos carros reduz de 61% a 91% as emissões de gases de efeito estufa, reabsorvidos em boa parte pelas próprias plantações, enquanto para o concorrente derivado do milho a diminuição vai de 1% a 49%, dependendo das condições de operação.

O custo de produção do etanol brasileiro também é imbatível: cerca de US$ 50 por barril, quase o mesmo do petróleo retirado de águas profundas e US$ 10 mais barato do que o combustível de milho, segundo estudo da petrolífera britânica BP.



Tags: Ethanol Summit, flex, etanol, biocombustível, América do Norte, exportação.

Comentários

  • Ronaldo Gomes Ribas

    Se a atual capacidade produtiva de etanol anidro carburante está muito abaixo do necessário para a mistura à gasolina do tipo A e o governo aumentou sua proporção à gasolina do tipo C de 20 para 25%, forçando a PETROBRAS importar volume ainda maior de etanol anidro de milho dos EUA, de que maneira espera-se exportar o etanol anidro carburante de cana-de-açúcar se não há sobras...???

  • Farad

    Que eu saiba uma recente decisão aumentou a percentagem para 15%.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência