Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Lançamentos | 03/07/2013 | 23h35

Nova geração do Mercedes Classe E chega em julho

Sedã mais barato sai por R$ 229.900; coupé, por R$ 239.900; e cabriolet, por R$ 299.900

CAMILA FRANCO, AB | De Campos do Jordão (SP)

classee/
Coupé (o primeiro) deve responder por 10% das vendas; sedã (segundo), por 80% com as duas opções de motorização; e cabriolet, pelos 10% restantes

A Mercedes-Benz começou a importar para o mercado brasileiro neste mês a 9ª geração do Classe E, com novidades no design e na motorização. O sedã de quatro portas, tanto na versão E 250 Turbo Avantgarde, de 211 cavalos de potência, quanto na E 350 Avantgarde, V6 de 306 cavalos, já estará disponível nas revendas a partir do dia 5. Os modelos cabriolet, equipado com o mesmo motor de 306 cavalos, e coupé, com o propulsor de 211 cavalos de potência, chegam até o fim de julho nas concessionárias.

A gama, que pretende atingir um público jovem, elegante e que sente prazer ao dirigir, batendo de frente com a rival Série 5 da líder BMW, evoluiu e puxou com ela os preços para cima. O sedã E 250, o mais barato da família, sai por R$ 229.900. O sedã com motor V6 é vendido por R$ 284.900. O coupé esportivo, de duas portas e quatro lugares, é entregue por R$ 239.900. E o cabriolet, por R$ 299.900. A versão de entrada da Classe E na geração anterior custava R$ 224 mil.

O gerente sênior de vendas e marketing de automóveis da Mercedes-Benz, Dirlei Dias, acredita que o brasileiro pagará mais alto por conta das novidades tecnológicas e requinte que os carros oferecem - como tem feito o europeu desde o início do ano quando o sedã passou a ser vendido por lá e desde o mês passado com o lançamento no continente do coupé e do cabriolet.

O executivo prevê que serão vendidas 450 unidades da Classe E apenas nesse segundo semestre de 2013 no País. Nos doze meses do ano que vem, a marca pretende bater 900 unidades no mercado interno para conquistar a liderança brasileira entre as marcas premium. “50% desse volume serão do sedã E 250, 30% do sedã E 350, 10% do coupé e os 10% restantes do cabriolet”, calcula Dias.

POWERTRAIN

Uma das maiores novidades da nova Classe E está escondida abaixo do capô. A versão sedã E 250 Turbo Avantgarde e a E 250 Turbo Coupé compartilham a mesma motorização de quatro cilindros, 211 cavalos de potência, com injeção direta de gasolina, turboalimentação e sistema Start-Stop. Segundo Dias, esse motor está 5% mais potente e até 10% mais econômico do que o que equipa os mesmos modelos da geração anterior (durante a avaliação por Campos de Jordão, o sedã fez 11,4 km/l). É capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em 7,4 segundos.

O sedã E 350 Avantgarde e o E 350 Cabriolet dividem um potente V6 de 306 cavalos com injeção direta de gasolina e Start-Stop, que alcança 100 km/h em apenas 6,3 segundos.

Todas as versões da Classe E contam com a nova transmissão 7G Tronic Plus, que segundo a fabricante alemã é mais leve, garantindo maior economia de combustível, e também mais precisa.

A suspensão é a mesma, mas com um detalhe que promete fazer toda a diferença: o sistema automático de regulagem da rigidez dos amortecedores, pensado para agregar maior estabilidade, conforto e segurança ao volante. No sedã, o sistema de amortecedores está 15 milímetros mais baixo do que a suspensão convencional.

A direção para toda gama é elétrica com função paramétrica. Isso significa que em velocidades maiores o volante tende a ficar mais rígido. Além disso, são necessárias menos voltas na hora de esterçar.

interiorclassee/
Os interiores do sedã mais barato, do coupé e do cabriolet levam acabamento em alumínio. O do sedã mais caro é o único com detalhes em madeira

SEGURANÇA

São de série nos quatro modelos seis airbags, sistema antibloqueio dos freios (ABS); controle eletrônico de estabilidade (ESP); distribuição eletrônica de força de frenagem (EBD); controle de tração de cada roda durante aceleração (ASR); assistente de freio, que dispara alerta sonoro e visual quando há aproximação do veículo parado ou em movimento; função hold, que paralisa o carro por 10 minutos sem o acionamento do freio; assistente de partida na subida, entre outros.

O sistema de segurança conhecido como Distronic, ofertado no Classe E europeu, ficou de fora do pacote brasileiro. Ele funciona com um radar posicionado atrás da estrela da Mercedes, na seção elevada central do para-brisa, que tem visão tidimensional 50 metros adiante e monitoramento adicional de 500 metros, e também com informações de sensores que detectam tráfego à frente e transversal. Tudo para evitar batidas e atropelamentos.

De acordo com o gerente Dias, o sistema Distronic ainda não foi homologado no Brasil por conta de problemas de frequência. “A Mercedes precisaria de um canal exclusivo no País que não interferisse em outras frequências, como a de comunicação do exército. Como ainda não há essa disponibilidade, não conseguimos trazer a tecnologia”.

Para evitar as colisões na hora de estacionar, os Classe E entram automaticamente em vagas paralelas e também nas perpendiculares. Novidade dessa geração é que o sistema também executa a manobra de saída de vagas paralelas, acionando automaticamente o volante e os freios, mas desde que o carro tenha sido estacionado no local também de forma automática.

DESIGN

Para deixar a 9ª geração da Classe E mais moderna, a Mercedes-Benz lançou mão de algumas mudanças no design exterior dos veículos. Na dianteira, as alterações mais perceptíveis estão na parte inferior do para-choque e bem na frente do capô, que agora ostenta a estrela da marca. A esportividade ficou por conta dos faróis de led retangulares (regulam o feixe de luz para não ofuscar quem vêm na direção contrária). Para traseira foi reservada nova lanterna, também em led, e novo desenho do para-choque. As rodas de liga leve são de 17 polegadas no E 250 Turbo Avantgarde e de 18 polegadas no E 350, com motor mais potente e apelo mais esportivo.

O interior de todos os modelos da Classe E ganhou sofisticação com materias nobres. O sedã mais barato vem com couro sintético, acabamento das portas e do console central em alumínio e teto solar. O mais caro, com couro legítimo nos bancos, acabamento em madeira e ainda duas telas de entretenimento atrás dos bancos dianteiros.

O coupé e o cabriolet, que ganharam faróis e lanternas mais alongados, têm banco de couro legítimo e acabamento em alumínio. A diferença é que no cabriolet, ao recolher a capota, é oferecido aquecimento dos bancos dianteiros, além de vento quente na nuca.

NOVIDADES EM AGOSTO

Além dos quatro novos modelos apresentados na quarta-feira, 3, a Mercedez-Benz já adianta que a família Classe E será ampliada em agosto com a chegada das versões E 250 Turbo Coupé e E 350 Cabrio, além da superesportiva E 63 AMG, com motor V8 biturbo com 557 cavalos, que vai de 0 a 100 km/h em 4 segundos, tração permanente nas quatro rodas e design exclusivo. Dirlei Dias diz que os preços ainda não foram definidos, mas revela que a geração antiga do E 63 AMG custava cerca de US$ 235 mil e que a nova deve vir mais cara.



Tags: Classe E, Mercedes-Benz, sedã, coupé, cabriolet, Dirlei Dias.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência