Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 05/07/2013 | 20h13

Caminhões: líderes cedem terreno para suecas

MAN, Mercedes-Benz e Ford reduzem participação enquanto Scania e Volvo avançam

GIOVANNA RIATO, AB

As vendas de caminhões voltaram a um patamar mais saudável no primeiro semestre de 2013, depois da difícil transição para a tecnologia Euro 5 no ano passado. O crescimento de 5,1% nos licenciamentos entre janeiro e junho, para 74 mil unidades, não beneficiou todas as fabricantes do setor da mesma forma. Enquanto as primeiras colocadas no ranking de vendas MAN, Mercedes-Benz e Ford perderam mercado, as suecas Scania e Volvo ganharam mais espaço no País.

A líder MAN, que produz modelos da Volkswagen caminhões e o o extrapesado MAN TGX, abriu mão de 4,3 pontos porcentuais de market share e respondeu por 27,3% do total vendido no período. A empresa emplacou 20,3 mil unidades, 7,5% menos do que o registrado entre janeiro e junho de 2012. Dessa forma, a companhia fica mais perto da principal concorrente, a Mercedes-Benz, segunda colocada no ranking, que teve participação de 25% no período.

Ainda assim, a marca da estrela também enfraqueceu sua presença de mercado no primeiro semestre na comparação com mesmo intervalo de 2012, perdendo 0,8 ponto porcentual. A fabricante, que tem a maior rede de concessionárias do segmento, vendeu 18,5 mil caminhões no período, com evolução de 3,5% sobre o registrado há um ano.

A Ford também entregou parte de seu market share. A terceira empresa que mais vende caminhões no Brasil perdeu expressivos três pontos porcentuais e ficou com participação de 13,2% entre janeiro e março. Foram emplacados 9,8 mil caminhões da marca, 13,2% menos do que no primeiro semestre do ano passado.

A companhia se prepara para reverter a curva de queda, com o início da produção do Cargo extrapesado, que chegará ao mercado no segundo semestre. Em 2014 a empresa voltará a fabricar a Série F na planta de São Bernardo do Campo (SP). Para a nova fase, os negócios da divisão também estão sob novo comando. Oswaldo Jardim anunciou sua aposentadoria e passou o bastão ao argentino Guy Rodriguez, então diretor de marketing e vendas da Ford Argentina.

DEMANDA POR PESADOS PUXA DESEMPENHO DAS SUECAS

A alta de 33,4% na demanda por caminhões pesados trouxe bons resultados para as suecas Scania e Volvo. As empresas têm atuação forte no segmento, que somou 26,4 mil unidades vendidas no primeiro semestre. A Scania ganhou 6,1 pontos porcentuais de presença no mercado brasileiro, para 13%. A organização vendeu 9,6 mil unidades, volume 103,6% superior ao fraco resultado de um ano atrás.

A companhia foi uma das mais afetadas pela retração das vendas no ano passado. Enquanto a maior parte das concorrentes fez estoques de veículos Euro 3 para vender com preços mais baixos no início de 2012, a fabricante manteve a produção customizada sob demanda. A estratégia fez com que a empresa fosse a primeira a ser afetada pela queda dos emplacamentos, mas também permitiu que ela se recuperasse antes. Com isso, a marca saltou da sexta para a quarta colocação no ranking de vendas.

A Volvo manteve a trajetória de crescimento e continuou ganhando mercado. A companhia abocanhou 2,8 pontos de participação, para 12,6%. Foram licenciados 9,3 mil caminhões da marca no período, com alta de 37,1%. Apesar da evolução, a empresa desceu um degrau no ranking e ficou na quinta posição.

Com volume de vendas quase estável na comparação com o ano passado, a Iveco também caiu uma colocação e ficou em sexto lugar. Foram emplacados 9,3 mil caminhões da marca italiana, que perdeu meio ponto de presença no mercado, respondendo por 7,2% das vendas. Para o segundo semestre, a empresa prepara a chegada do Stralis Hi-Way, extrapesado eleito caminhão do ano no IAA, principal salão de caminhões do mundo, realizado em Hannover no ano passado. A novidade tem potencial para dar fôlego à montadora.

Na sétima posição está a International, com 279 veículos vendidos no primeiro semestre. Apesar do volume pequeno, ele representa alta importante sobre o resultado do ano passado, com crescimento de 36,7%. A companhia ainda tem participação pouco expressiva no mercado nacional, de 0,4%. A tendência, no entanto, é que isso mude. Em junho a organização inaugurou fábrica própria em Canoas (RS). A unidade começa a operar em ritmo baixo, mas quer sustentar a venda de três a quatro mil caminhões da marca por ano em 2015.

No caminho contrário a Agrale reduziu suas vendas em 17,6% no primeiro semestre, para 239 unidades. Volume ainda menor do que o da recém-chegada. A empresa nacional teve participação de apenas 0,3%. A Sinotruk também deu um passo para trás e registrou retração de 60,5% nos negócios, vendendo apenas 181 caminhões no País.

Vendas



Tags: caminhões, ranking, vendas, mercado.

Comentários

  • Miguel Jr

    Quadro-Junho 2013

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência