Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Importados de luxo: faturamento cresce 36% em 2013

Mercado | 17/07/2013 | 18h22

Importados de luxo: faturamento cresce 36% em 2013

Importadores das oito marcas mais vendidas faturam R$ 4,2 bilhões no 1º semestre e superam os resultados de 2012 e 2011

PEDRO KUTNEY, AB

Após retração das vendas em 2012, os principais importadores de carros de luxo voltaram a aumentar o faturamento no primeiro semestre deste ano, com resultados que já superam os de 2011. Levantamento realizado pela consultoria autoAnálise estima que de janeiro a junho as oito marcas mais vendidas do segmento somaram negócios no varejo de R$ 4,2 bilhões, cifra 36% maior do que a registrada nos seis primeiros meses do ano passado, e 7,7% acima de 2011 em termos reais, com valores corrigidos pela inflação do IPCA.

De acordo com a avaliação da autoAnálise, a redução do faturamento no primeiro semestre de 2012 (de 20% em termos reais na comparação com idêntico período de 2011) foi causada não só pela sobretaxação de 30 pontos porcentuais de IPI sobre veículos importados, mas também pela antecipação de compras ocorrida nos últimos meses de 2011, pouco antes da nova tributação entrar em vigor, já no fim de dezembro daquele ano. Depois, com a publicação do Inovar-Auto, os importadores habilitados ganharam cota de até 4,8 mil unidades livres do pagamento dos 30 pontos. Com isso, as vendas voltaram a crescer e a queda já foi plenamente recuperada em 2013.

Todas as cinco marcas com maior faturamento este ano apresentaram crescimento em relação ao primeiro semestre de 2012, e apenas a Mercedes-Benz ainda não superou ainda o valor faturado em 2011 (veja o gráfico abaixo).

Importados

MARCAS

O melhor desempenho entre as marcas de luxo é da Land Rover, que cresceu consistentemente em todos os primeiros semestres dos últimos três anos, e assim passou da terceira posição no ranking de faturamento em 2011 para primeiro lugar em 2012 e 2013. No primeiro semestre dos dois anos, as vendas no varejo da Land Rover estimadas pela autoAnálise avançaram 50% por ano em termos reais, considerando os valores atualizados pelo IPCA, chegando ao pico de R$ 1,15 bilhão de janeiro a junho de 2013.

Em segundo lugar do faturamento das marcas de luxo, a BMW se recuperou bem da queda no vale em 2012: vendeu perto de R$ 1 bilhão em veículos nos primeiros seis meses de 2013, com avanço de 66,7% sobre o mesmo período do anos anterior e de 26,6% ante 2011.

Na terceira colocação, a Mercedes-Benz também retomou as vendas, com receita de varejo em torno de R$ 650 milhões, o que supera em 63% o tombo de 2012, mas ainda 17,7% abaixo do resultado de 2011.

As marcas Chrysler, Jeep e Dodge figuraram no semestre passado com o quarto maior faturamento do segmento, mas sem sair do lugar. Os cerca de R$ 500 milhões faturados configuram resultado praticamente idêntico ao obtido em 2012, ainda que 43% maior do que em 2011.

No quinto lugar, a Audi faturou algo como R$ 400 milhões, apenas um pouco acima de 2011, mas 14% melhor do que no ano passado.

A Porsche não conseguiu recuperar o faturamento de 2011 no Brasil: as vendas de R$ 210 milhões ficaram 30% abaixo, mas 40% acima do resultado semestral do ano passado.

Na sétima e oitava posições do ranking, respectivamente, Volvo e Mini registraram queda constante de faturamento nos últimos três anos. Os R$ 200 milhões da Volvo ficaram 45% abaixo de 2011 e 5% menos em relação a 2012. No caso da Mini (marca que pertence à BMW), as vendas de R$ 90 milhões no semestre são a metade dos R$ 180 milhões de 2011 e estão 10% inferiores ao mesmo período de 2012.



Tags: Mercado, importados, luxo, autoAnálise, faturamento, varejo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência