Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 17/07/2013 | 19h02

Audi: presidente ‘cruza os dedos’ pela fábrica

Como produtor nacional, Leandro Radomile poderia ampliar sua cota de veículos importados

MÁRIO CURCIO, AB

A expectativa de que a matriz dê o OK para a Audi voltar a produzir carros no Brasil é vivida por todos na divisão brasileira. Não seria diferente para Leandro Radomile, o presidente da empresa. “Vamos cruzar os dedos”, disse o executivo durante o lançamento do A3 Sportback (leia aqui). O anúncio deve sair ainda este ano. “Defendo muito o tema da fábrica. Acho que tem de ter; seria um passo bom para a indústria brasileira produzir um carro com a plataforma MQB”, diz Radomile. Esse carro seria dois na verdade: o A3 e o VW Golf em sua sétima geração.

O desejo de Radomile pela fábrica tem também outra razão, a de obter uma cota maior de importação livre dos 30 pontos porcentuais extras de IPI. A cota livre atual, por ser apenas importadora, é de 3.876 carros. No acumulado do ano (até a metade de julho), a Audi teve 3.109 unidades emplacadas. E como pretende vender 7 mil carros até o fim de 2013, terá de pagar os 30 pontos extras de IPI extra para mais de 3,1 mil unidades. “Cada carro acima da cota custa em média R$ 15 mil a mais”, revela.

A reestreia da Audi como fabricante brasileira é esperada para São José dos Pinhais (PR), na mesma unidade onde a primeira geração do A3 foi produzida entre 1999 e 2006 e onde a Volkswagen monta Fox, CrossFox, SpaceFox e também o Golf (da quarta geração). Uma fábrica própria está descartada por todas as dificuldades que isso traria, como parque de fornecedores e mão de obra especializada. O projeto inicial é fabricar até 35 mil carros por ano, o que implicaria um investimento de R$ 17 mil por unidade, dentro das regras do Inovar-Auto para fábrica de baixo volume de produção.

VENDAS FINANCIADAS E CÂMBIO ATUAL

As vendas da Audi no primeiro semestre foram 42% melhores que as do mesmo período do ano passado por causa de lançamentos e da renovação da linha. Um levantamento revelou que 40% das vendas da marca são financiadas, com saldo em 24 meses como regra. Mas as recentes altas do dólar e preocupam Radomile porque o planejamento mais recente foi traçado com o dólar cotado a R$ 2,05.

“Será mesmo ruim se esse novo patamar (entre R$ 2,20 e R$ 2,25) se confirmar. Outro dia fui almoçar com o pessoal do mercado financeiro e quase voltei chorando”, lamentou. O executivo não descarta uma pequena redução nas importações até o fim do ano (algo como 200 veículos a menos). O reajuste de preços é outra possibilidade.



Tags: Audi, Leandro Radomile, A3 Sportback, São José dos Pinhais, Fox, Golf, Inovar-Auto, VW, Volkswagen.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência