Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Suzuki quer ampliar vendas do jipinho montado no Brasil
Jimny tem quatro versões e preço inicial de R$ 55.990

Mercado | 25/07/2013 | 17h29

Suzuki quer ampliar vendas do jipinho montado no Brasil

Fabricante investiu R$ 150 milhões e deseja chegar a 200 Jimny por mês até o fim do ano

MÁRIO CURCIO, AB

Como resultado de um investimento local de R$ 150 milhões, a Suzuki produz no Brasil desde o segundo semestre do ano passado o pequeno Jimny. O ritmo de vendas ainda é baixo. Em seis meses e meio foram emplacadas 688 unidades (cerca de 105 carros mensais). “O objetivo é chegar a 200 carros por mês”, afirma o presidente da Suzuki no Brasil, Luiz Rosenfeld, sobre a meta até o fim de 2013.

A fabricação brasileira não ocorre em um único lugar. “A Automotiva Usiminas fornece a carroceria”, informa Rosenfeld. Parte da produção do jipe ocorre na fábrica da Mitsubishi em Catalão. “A montagem final é em Itumbiara”, diz o executivo. Ambos os municípios ficam em Goiás. A Weldmatic fornece o chassi e a MVC, componentes plásticos de carroceria, para-choques, forração do teto e painel, por exemplo.

Toda a linha Jimny utiliza um motor 1.3 a gasolina de 85 cv, câmbio manual de cinco marchas e tração 4x4 temporária e caixa de redução. Propulsor e transmissão vêm do Japão. Assim como fazem outros importadores e fabricantes instalados no Brasil, a Suzuki montou neste mês uma estrutura na cidade turística de Campos do Jordão (SP, na Av. Emílio Ribas, 946) para mostrar a capacidade fora de estrada do jipinho.

O Jimny tem preço inicial de R$ 55.990 e é vendido em quatro versões, uma delas dedicada a frotistas e equipada com interior lavável (assoalho, teto e bancos) e engate. A rede Suzuki tem hoje 54 concessionárias.

“Não temos planos de expansão da rede neste ano”, afirma Rosenfeld. Além do Jimny, apenas dois outros carros Suzuki são vendidos no Brasil, o SX4 e o Grand Vitara, que completa 25 anos (veja aqui). As primeiras unidades do Jimny vieram ao Brasil no fim dos anos 1990.

Suzuki
Jimny nacional tem chassi feito pela Weldmatic, carroceria pela Automotiva Usiminas e vários componentes produzidos pela MVC. Suzuki levou o jipinho a Campos do Jordão (SP) para mostrar sua versatilidade na terra

Em 2003, todos os Suzuki deixaram de ser importados. O Jimny voltou a ser trazido no fim da década passada. De 2009 até a primeira quinzena de julho deste ano, somando importados e nacionais, foram vendidas 3.641 unidades. Como comparação, nesse mesmo período, o jipe Troller T4 (fabricado pela Ford em Horizonte, no Ceará) teve 5.706 unidades, 56,7% a mais, apesar de seu preço elevado (atualmente são R$ 93.933).

A decisão pela produção brasileira do Jimny foi revelada em 2010 e a confirmação da cidade de Itumbiara como local da fábrica ocorreu em abril de 2011. A concessão para produzir o Jimny pertence ao empresário Eduardo Souza Ramos, também responsável pelas operações da Mitsubishi em Catalão.



Tags: Jimny, Suzuki, Mitsubishi, Catalão, Itumbiara, Automotiva Usiminas, MVC, Weldmatic, Luiz Rosenfeld.

Comentários

  • Marcos

    Pena que somos vistos como idiotas pela Suzuki, cobram o que querem por um carro com preço de hatch luxo e acessórios de básico com a desculpa que a proposta do carro é outra. Agora com fábrica no Brasil o preço subiu e não acrescentou nada, hahahaha, um carrinho desses, desconfortável...uma TR4 ganha em quase tudo, perde somenta na tração... Ou não! Parabéns pelo post

  • Edson Silva

    Eu tive um Samurai 1995 ,ótimo como jipe , eu fui um dos muitos que torceram pela fabricação nacional desse jipinho , também acho caro . Boa sorte a Suzuki.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência