Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Elétricos | 22/08/2013 | 22h04

Governo e Anfavea terão segunda reunião sobre carros elétricos

Entidade propôs a criação de cota para que empresas importassem com isenção do IPI

GIOVANNA RIATO, AB

A Anfavea, associação dos fabricantes de veículos, aguarda ser chamada para uma nova reunião no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) sobre um programa para viabilizar carros elétricos e híbridos no mercado nacional. Essa seria o segundo encontro para discutir o tema e debateria proposta entregue pela entidade ao ministro Fernando Pimentel no início de julho. Luiz Moan, presidente da organização, aponta que as sugestões já foram pauta de três reuniões internas entre membros do governo.

Na época em que a proposta foi levada às autoridades poucos detalhes do documento foram divulgados (leia aqui). Era público apenas que a entidade apresentou seis tecnologias de propulsão alternativa e sugeriu prazos distintos para a viabilização de cada uma. Entre as opções, estão modelos híbridos com motores bicombustível álcool-gasolina e elétricos, além de elétricos com células de combustível alimentadas com hidrogênio extraído do etanol. Moan saiu otimista do encontro com o ministro e disse que o governo mostrou interesse em colocar as sugestões em prática.

Em conversa com jornalistas depois de sua participação na abertura do Simea, evento promovido pela AEA em São Paulo nos dias 22 e 23 de agosto (leia aqui), o presidente da Anfavea deu mais detalhes da proposta. Ele explicou que a associação sugeriu que fossem criadas cotas de importação para carros elétricos e híbridos com alíquota do IPI zerada. Inicialmente cada empresa interessada em trazer essas tecnologias ao Brasil poderia importar 450 unidades por ano com tributação reduzida. “Não pedimos incentivos, como vemos em muitos países. Pedimos apenas desonerações. Esse volume parece insignificante, mas, se pensarmos na adesão de 10 montadoras, já seriam 4,5 mil carros.”

A cota anual por empresa chegaria a 2,4 mil unidades nos anos seguintes. A ideia, segundo Moan, é garantir o incentivo até 2017. A partir daí, as montadoras deveriam começar o processo de nacionalização de componentes e sistemas destes carros para garantir o benefício até 2020. Depois desse período, as companhias teriam de localizar também a produção dos carros elétricos.

A criação de programa para viabilizar de carros com propulsão alternativa no mercado nacional pode vir com um novo conjunto de exigências às montadoras. Ainda assim, a venda de modelos zero emissão seria mais uma ferramenta para que as montadoras atinjam ou superem as metas de eficiência energética do Inovar-Auto, ganhando descontos extras no IPI, o que justificaria o interesse das empresas em tornar a proposta realidade.



Tags: carro elétrico, híbrido, Anfavea, MDIC.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência